Busca avançada
Ano de início
Entree

Política econômica e política externa nos governos do PT

Processo: 14/01559-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2014 - 31 de maio de 2016
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Sociologia - Sociologia do Desenvolvimento
Pesquisador responsável:Angelita Matos Souza
Beneficiário:Angelita Matos Souza
Instituição-sede: Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Assunto(s):Política econômica  Política externa  Desenvolvimento econômico  Partido dos Trabalhadores 

Resumo

A ideia da ampliação dos interesses priorizados pela política econômica dos governos Lula aparece implícita ou explicitamente em muitos autores, assim o primeiro objetivo é estudar a literatura sobre os governos Lula fazendo um balanço dessa hipótese. Em seguida, com foco sobre o papel do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), pretendemos analisar os desembolsos voltados às grandes empresas (aos campeões nacionais), às fusões/aquisições dentro e fora do país, aos investimentos locais (especialmente em infraestrutura e a partilha entre empresas da construção civil), as participações acionárias do Banco, os financiamentos às exportações de bens e serviços e a discussão em torno da atuação da instituição nos últimos anos. Atuação que acreditamos indicativa da maior influência política adquirida por representantes do setor produtivo nos governos do PT (comparativamente aos governos FHC). O estudo da política externa dar-se-á de forma articulada com a política econômica nacional, com foco nos incentivos para internacionalização de empresas eleitas. Análise da política externa articulada à política econômica que levará em conta o fenômeno do lulismo e o cenário econômico internacional favorável às exportações de commodities. Sobre o governo Dilma interessa investigar a hipótese de boicote da parte de frações da classe dominante ao ensaio nacional-desenvolvimentista tentado por este governo, por meio da ampla pesquisa de fontes primárias, argumentando que a relativização do seu conteúdo estaria relacionada à problemática da dependência. (AU)