Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de aços para rolamento com adição de silício

Processo: 13/18801-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2014 - 31 de julho de 2016
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Mecânica - Processos de Fabricação
Pesquisador responsável:José Benedito Marcomini
Beneficiário:José Benedito Marcomini
Instituição-sede: Escola de Engenharia de Lorena (EEL). Universidade de São Paulo (USP). Lorena , SP, Brasil
Pesq. associados:Carlos Antonio Reis Pereira Baptista ; Durval Rodrigues Junior ; Miguel Justino Ribeiro Barboza
Assunto(s):Aço de alta resistência  Silício  Rolamentos  Tenacidade dos materiais  Resistência dos materiais  Fadiga dos materiais 

Resumo

Este projeto prevê a elaboração de ligas experimentais hipereutetóides baseadas no aço para rolamento AISI52100/DIN 100Cr6, contendo teores de Si elevados, entre 0,8 e 1,0%. Esta proposta é baseada na mesma ideia do aço 300M desenvolvido para a indústria aeroespacial a partir do aço SAE4340, com o objetivo de melhoria de tenacidade e elevação da temperatura de ocorrência do fenômeno da fragilização da maternsita revenida (FMR). Após a preparação da nova liga, serão realizados tratamentos térmicos experimentais de têmpera, a partir da região intercrítica gama + carbonetos, e revenimento visando obter estruturas mistas de matriz martensítica, uma pequena parcela de austenita retida e distribuição de carbonetos, que permitam uma combinação de alta resistência mecânica, boa tenacidade ao impacto e boa resistência à fadiga de contato. Será estudada a variação de dureza durante o revenimento e seu comportamento em relação ao fenômeno da fragilização da martensita revenida. A caracterização mecânica da nova liga será realizada por meio de ensaios de tração, impacto e fadiga de contato. A detecção dos carbonetos de transição que ocorrem nesta liga, por meio de técnicas mais avançadas como microscopia eletrônica de transmissão (MET) ou microscopia eletrônica de varredura em microscópio com canhão de efeito de campo (MEV-FEG), será uma segunda etapa da pesquisa, aliando a pesquisa tecnológica à pesquisa puramente científica. (AU)