Busca avançada
Ano de início
Entree

Peculiar Euphrosyne

Processo: 14/14212-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de setembro de 2014 - 28 de fevereiro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Astronomia - Astronomia de Posição e Mecânica Celeste
Pesquisador responsável:Valerio Carruba
Beneficiário:Valerio Carruba
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia (FEG). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Guaratinguetá. Guaratinguetá , SP, Brasil
Assunto(s):Mecânica celeste  Asteroides  Astrodinâmica  Eventos científicos e de divulgação 

Resumo

(31) Euphrosyne, com mais de 99% da massa total, é o corpo maior da sua família de asteroides . Entre as famílias de asteroides, o grupo de Euphrosyne é peculiar por causa da sua função de distribuição em tamanho (ou SFD) bastante inclinada, com uma significativa falta de corpos de tamanho médio-grande (8 < D < 12 km). A presente SFD da família de Euphrosyne foi sugerida ser o resultado de um impacto tangencial, no qual somente os fragmentos menores, que chegaram mais longe, não caíram de volta emEuphrosyne. Esta família é também peculiar por razões dinâmicas: perto do seu centro é cruzada pela ressonância secular linear nu6 = g-g6 , e tem a maior população (140 objetos) de asteroides em estados anti-alinhados da ressonância nu6 (ouasteroides de tipo Tina) do cinturão principal.Neste trabalho investigamos a evolução orbital de membros da família, com uma atenção especial com respeito a interação destes asteroides com a ressonância nu6. Por causa da configuração orbital desta família, os asteroides de tamanhogrande e médio tendem a migrar para fora da família mais rapidamente que os asteroides pequenos, que foram produzidos à distâncias maiores com respeito ao centro da família. Como consequência, a SFD tende a tornar-se mais inclinada com o passar do tempo, com números cada vez menores de objetos de tamanho médio-grande. Estimamos que a atual SFD possa ser obtidas a partir de típicas funções dedistribuições iniciais em tempos-escadas de ~500 milhões de anos, de acordo com estimativas da idade da família obtida com métodos independentes. (AU)