Busca avançada
Ano de início
Entree

Atenção básica e a produção do cuidado em rede no município de Santos

Processo: 14/50047-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa em Políticas Públicas para o SUS
Vigência: 01 de julho de 2014 - 31 de dezembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Convênio/Acordo: CNPq - PPSUS
Pesquisador responsável:Rosilda Mendes
Beneficiário:Rosilda Mendes
Instituição-sede: Instituto de Saúde e Sociedade (ISS). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Baixada Santista. Santos , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):14/25797-1 - Atenção básica e a produção do cuidado em rede no município de Santos, BP.TT
15/00067-3 - Atenção básica e a produção do cuidado em rede no município de Santos, BP.TT
14/26624-3 - Atenção básica e a produção do cuidado em rede no município de Santos, BP.TT
14/26001-6 - A atenção básica e a produção do cuidado em rede no município de Santos, BP.TT
Assunto(s):Atenção primária à saúde  Promoção da saúde  Assistência à saúde  Serviço público  Pessoal de saúde  Santos (SP) 

Resumo

A parceria entre a Universidade Federal de São Paulo/Baixada Santista e a Secretaria Municipal de Saúde de Santos tem se pautado pela construção de estratégias de formação de alunos e de profissionais para a atenção integral e de qualificação da rede de serviços públicos de saúde. Este relatório final de pesquisa apresenta os resultados da produção e análise dos dados do projeto atenção básica e a produção do cuidado em Rede no Município de Santos. Esta investigação realizada desde agosto de 2014 pelo grupo de pesquisa do (LEPETS) Laboratório de Estudos e Pesquisas sobre Formação e Trabalho em Saúde teve como cenário de estudo onze unidades de saúde da cidade de Santos, com o acompanhamento de onze situações/casos. Os objetivos da pesquisa consistiram em analisar as potencialidades da Atenção Básica (AB) como ordenadora das ações de cuidado em rede; identificar experiências de cuidado de saúde em rede nas quais estão envolvidos usuários e trabalhadores dos serviços de atenção básica; conhecer e analisar redes formais e informais envolvidas nas situações de cuidado e suas interfaces com ênfase nas ações de promoção da saúde; identificar as estratégias, intervenções, tecnologias e mecanismos de gestão utilizados para produzir cuidado em rede e analisar as tecnologias e estratégias de ensino da universidade com vistas à qualificação do cuidado em rede. Para tanto utilizamos o método de pesquisa-intervenção e a cartografia, em que o pesquisador está implicado na experiência. A partir da produção e análise dos diários de pesquisa surgiram quatro núcleos de sentidos que estão interligados. No primeiro núcleo intitulado "cuidado" foram levantados temas que abordaram questões que problematizam a linha tênue entre omissão e excesso no ato de cuidar, o cuidado como relação e as diferentes formas e modos de cuidar. No segundo núcleo, "processo de trabalho", foram contemplados aspectos da organização e condições do trabalho, a inserção do usuário na rede de serviços e atenção e, por fim, a relação que os diferentes serviços estabelecem entre si. O terceiro núcleo, intitulado "Relação Universidade-Serviços", abordou a questão do pesquisar com diferentes atores, problematizando o trabalho do cartógrafo em sua experiência de campo e de escrita coletiva dos diários. Finalmente, o núcleo nomeado "produção de redes" deteve-se em temas que abordaram os sujeitos produtores de redes (profissionais, pesquisadores, usuários) bem como as ferramentas e dispositivos presentes nesse processo. Estes "núcleos de sentidos", que se articulam em entrelaçamentos e sobreposições, nos levaram a ampliar o entendimento sobre a AB e seu protagonismo na ordenação das estratégias de cuidado. Durante a pesquisa, foi possível observar que, embora a AB seja considerada de importância estratégica a partir de seu papel como ordenadora, ainda é insuficiente a criação de dispositivos que permitam que, de fato, esse papel possa ser desempenhado a contento. A imersão nos núcleos de sentido também nos permitiu investigar certa dimensão relacional no cuidado profissional, que se dá para além dos procedimentos ou protocolos e constitui parte importante do cotidiano do cuidado nas unidades de saúde acompanhadas neste percurso. A complexidade da experiência do cuidado mostrou que há diferentes modos de cuidar, os quais são realizados tanto por profissionais de saúde quanto por não profissionais, de acordo com as redes formais e informais que são criadas em cada situação. Quando se trata do cuidado realizado por um profissional de saúde, percebemos que ele ultrapassa as ações de informar e orientar sobre diagnósticos e formas de tratamento, assim como ultrapassa as técnicas próprias a cada informais que interagem, competem, potencializando e/ou enfraquecendo a produção de cuidado. As redes formais coexistem com as redes informais, nem sempre reconhecidas pelos profissionais, apontando o usuário e sua rede familiar como protagonistas na busca de apoio que nem sempre tem início nos serviços de atenção básica. Por meio de um complexo e fluido tecer de encontros e relações, a universidade entra em cena como mais um dos atores desse intricado processo de cuidado em saúde, no desafio de dissolver a irreal dicotomia entre fazer e pensar. E é justamente no "pesquisar com" que se encontra o grande desafio dessa investigação que buscou aproximar saberes, práticas e vivências, num processo em que a produção do conhecimento se dá nos encontros e entrelaçares de uma rede que se reinventa constantemente. (AU)