Busca avançada
Ano de início
Entree

The role of prions in the control of insulin response

Processo: 14/50266-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2014 - 31 de julho de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Convênio/Acordo: University of Melbourne
Pesquisador responsável:Vilma Regina Martins
Beneficiário:Vilma Regina Martins
Instituição-sede: A C Camargo Cancer Center. Fundação Antonio Prudente (FAP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:09/14027-2 - Mecanismos associados à função da proteína prion e seu ligante STI1/Hop: abordagens terapêuticas, AP.TEM
Assunto(s):Insulina 

Resumo

A proteína prion (PrPC) desempenha importantes papéis em funções celulares através da ligação a diferentes proteínas na formação de complexos multi-protéicos e organizando plataformas de sinalização. Estes complexos precisam ser melhores avaliados em nível molecular e celular, afim de compreender como as associações com PrPC desencadeia diferentes sinais celulares. Um importante papel de PrPc se refere à modulação da resposta à insulina. Em camundongos, a expressão aumentada PrPC melhora a resposta à insulina e reduz as chances de desenvolver intolerância à insulina, mesmo com o consumo de uma dieta rica em gordura. Camundongos knockout para PrPC apresentaram intolerância à insulina e aumento do peso corporal, bem como o que é observado em pacientes com síndrome metabólica. Este fenótipo pode ser associado a uma falha na translocação do transportador de glicose GLUT4 para a membrana. Dados da literatura mostram que ratos que apresentam doença de prion exibem hiperinsulinemia e hiperglicemia. No entanto, os mecanismos moleculares que levam à este fenótipo não foram explorados. Para estabelecer se a infecção de prion também modula a resposta à insulina, iniciamos uma colaboração com o Dr. Andrew Hill, da Universidade de Melbourne. A equipe do Dr. Hill tem uma grande experiência em modelos de infecção por prion. O conhecimento das funções de PrPC em resposta à insulina pode levar ao desenvolvimento de abordagens terapêuticas para doenças de prion ou síndrome metabólica e diabetes tipo II. (AU)