Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo genético da via proteolítica da matriptase em câncer de cabeça e pescoço

Processo: 14/06316-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência: 01 de agosto de 2014 - 31 de janeiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética
Pesquisador responsável:Katiuchia Uzzun Sales
Beneficiário:Katiuchia Uzzun Sales
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):16/13228-8 - Estudo genético da superexpressão de LEKTI em modelo experimental de câncer de cabeça e pescoço, BP.PD
16/16350-9 - Estudo da via de sinalização da serino protease TMPRSS11A através do estudo de camundongos geneticamente modificados, BP.IC
16/13343-1 - Expressão da proteína codificada pelo gene TMPRSS11A e seu envolvimento na formação de carcinoma, BP.IC
+ mais bolsas vinculadas 16/16715-7 - Regulação da atividade do inibidor do ativador do fator de crescimento de hepatócitos (HAI-1) pela ação dos oncogenes E6 e E7 do HPV 16, BP.MS
16/14685-3 - Aprendizado e aperfeiçoamento de atividades técnicas envolvendo: a) EAR tagging e genotipagem de camundongos, b) extração de proteínas, DNA e RNA; e c) indução química de carcinomas em modelo animal, BP.TT
15/06603-4 - LEKTI: novo marcador prognóstico no carcinoma de boca, BP.IC
15/03956-3 - Aprendizado e aperfeiçoamento de atividades técnicas envolvendo: a) EAR tagging e genotipagem de camundongos, b) extração de proteínas, DNA e RNA; e c) indução química de carcinomas em modelo animal, BP.TT
14/14311-0 - Estudo genético da via proteolítica da matriptase em câncer de cabeça e pescoço, BP.JP - menos bolsas vinculadas
Assunto(s):Neoplasias de cabeça e pescoço  Peptídeo hidrolases  Citocinas  Serina proteases 

Resumo

O câncer de cabeça e pescoço (HNSCC) é o sexto tipo de câncer mais comum no mundo e acomete cerca de 500.000 pacientes ao ano. A matriptase, uma protease da família das serino proteases transmembrana do tipo II (TTSPs), induz, peculiarmente, a transformação maligna, quando expressa em células-tronco epiteliais. Como recentemente demonstrado, a ativação proteolítica do pro-HGF (pro-hepatocyte growth factor) pela matriptase e a consequente ativação da via de sinalização do PI3K-Akt-mTor constituem um dos mecanismos moleculares pelo qual essa protease estimula a transformação maligna. Um segundo componente essencial para a atividade oncogênica da matriptase é a super-expressão de citocinas inflamatórias (dependentes do fator de transcrição NFkappaB), que ocorre pela ativação proteolítica do PAR-2 (protease-activated receptor-2) pela matriptase. O HPV (human papiloma virus) emerge nos dias atuais como um importante agente etiológico dos HNSCC; seu potencial oncogênico se deve à expressão de duas proteínas virais, E6 e E7. Clinicamente, os HNSCC causados por HPV são de melhor prognóstico. Além disso, em carcinomas de colo de útero, causados quase que exclusivamente pela infecção por HPV, existe uma correlação positiva entre a expressão do inibidor da matriptase HAI-1 (hepatocyte growth factor activator-1), detectada por imunoistoquímica, e o melhor prognóstico clínico. Nossos estudos empregarão manipulações genéticas in vivo, análise histológica e molecular de tecidos oriundos de modelos experimentais e biópsias de displasias e carcinomas orais humanos; além disso, realizaremos experimentos com células em cultivo, buscando comparar o efeito de alterações na expressão dos componentes da via proteolítica da matriptase em HNSCC e displasias dependentes da infecção por HPV com tecidos neoplásicos e não neoplásicos livres de infecção viral. (AU)