Busca avançada
Ano de início
Entree

Sistema nanoestruturado contendo fungicidas comerciais e naturais para a agricultura

Processo: 13/50847-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de setembro de 2014 - 30 de junho de 2015
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Física - Física da Matéria Condensada
Pesquisador responsável:Amanda Luizetto dos Santos
Beneficiário:Amanda Luizetto dos Santos
Empresa:Nanomed Nanotecnologia em Saúde e Bem-Estar Ltda
Município: São Carlos
Auxílios(s) vinculado(s):15/50348-9 - Sistema nanoestruturado contendo fungicidas comerciais e naturais para a agricultura, AP.PIPE
Bolsa(s) vinculada(s):14/21157-8 - Sistema nanoestruturado contendo fungicidas comerciais e naturais para a agricultura, BP.TT
14/15580-5 - Sistema nanoestruturado contendo fungicidas comerciais e naturais para a Agricultura, BP.PIPE
Assunto(s):Nanopartículas  Nanotecnologia  Agricultura  Produtos naturais  Fungicidas 

Resumo

O mercado de defensivos movimentou em 2012 cerca de R$ 2,3 bilhões, representando um crescimento de 27% comparado ao mesmo período de 2011. O processo de encapsulação de defensivo para liberação sustentada representa uma alternativa viável, eficiente e segura, com exposição ambiental reduzida, garantindo eco-proteção. Entretanto, um dos desafios a ser superado é o desenvolvimento de nanoestruturas com elevada capacidade de encapsulação, proteção ambiental, manutenção da atividade, ação em meio favorável (aquoso) ao crescimento de micro-organismos e seletividade. Uma das estratégias mais eficientes para a fabricação de ativos encapsulados tem sido o uso de estratégias de Nanotecnologia. Recentemente, vários nanossistemas têm sido utilizados em medicina, para encapsular princípios ativos, que uma vez inseridos no sistema vivo, possam ser liberados de maneira seletiva e controlada. Esses nanofármacos são geralmente encapsulados em nanoesferas ocas ou maciças produzidas de maneira controlada. O sucesso de aplicações nanotecnológicas na medicina despertou interesse do setor de "agro-nanotecnologia", sobretudo em defensivos agrícolas. O presente projeto tem como objetivo desenvolver e caracterizar nanodefensivos (fungicidas piraclostrobina e epoxiconazol) de liberação controlada e duradoura, estáveis in loco e toxicidade reduzida, a partir de biopolímero. O uso intenso de tais fungicidas no combate da ferrugem asiática em culturas agrícolas, como a soja não é satisfatório, resultando em perda da safra e inviabilizando seu cultivo em algumas regiões. Estes fatos geram a necessidade de novas estratégias de controle de pragas. Ainda não há comercialização de nanofungicidas e defensivos naturais eficientes, elevada taxa de encapsulação e perfil toxicológico definido. A nanotecnologia possibilita a distribuição econômica e segura de defensivos e fertilizantes através da seletividade na proteção da cultura, reduzindo os impactos ambientais. Ressaltamos que o projeto já possui resultados referentes às etapas de prospecção de um possível nanobiodefensivos, composto por matérias-primas naturais como óleos essenciais em escala nanométrica, já conhecidos por sua propriedade antimicrobiana. O uso de substâncias naturais e de baixa toxicidade é uma alternativa viável para o controle de pragas, sendo objeto da Política Nacional de Apoio ao Agrotóxico Natural, que visa estimular a pesquisa, a produção e o uso de agrotóxicos de origem natural, oferecendo tecnologias seguras, de baixo custo e de fácil manuseio. Dessa forma, o presente projeto prevê a otimização de outros sistemas e desenvolvimento de estratégias de scale up e comercialização de defensivos comercias e nanobiodefensivos. (AU)