Busca avançada
Ano de início
Entree

Identificação de novos genes e estudos funcionais na surdez não-sindrômica

Processo: 14/13071-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2014 - 31 de janeiro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Karina Lezirovitz Mandelbaum
Beneficiário:Karina Lezirovitz Mandelbaum
Instituição-sede: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Jeanne Oiticica Ramalho Ferraz ; Raquel Salomone ; Regina Célia Mingroni Netto ; Ricardo Ferreira Bento
Assunto(s):Otorrinolaringologia  Doenças genéticas inatas  Surdez  Mapeamento genético  Exoma  Modelos animais 

Resumo

O mapeamento de genes de surdez em grandes famílias levou ao conhecimento de mais de uma centena de lócus gênicos relacionados à surdez hereditária, incluindo o DFNA58, mapeado por nossa equipe. Cerca de 50 produtos gênicos foram identificados desde 1990, fornecendo subsídios extraordinários à compreensão da fisiologia da audição. Portanto, a tarefa de identificar novos genes de surdez não é trivial, restando uma proporção apreciável de genes de surdez a serem identificados e seu papeis na audição elucidados. Sem dúvida, os modelos murinos têm sido fundamentais nesse processo, inclusive para desenvolvimento de novos tratamentos. Esse projeto de pesquisa tem como objetivo identificar novos genes em pacientes com surdez e realizar estudos funcionais para caracterizar seu papel na audição. A pesquisa será executada em quatro vertentes: 1) Mapeamento gênico e identificação de novos genes de surdez por meio de estudos de ligação e sequenciamento do exoma em famílias com surdez não-sindrômica já averiguadas e em famílias a serem averiguadas na nova rotina de diagnóstico genético-molecular, seguidos de estudos de validação funcional dos novos genes candidatos. 2) Estudo funcional da duplicação identificada no lócus DFNA58: O sequenciamento do exoma e a análise de array-CGH em amostras de afetados da família em que foi mapeado o DFNA58 revelou a presença de uma duplicação de cerca de 180Kb dentro da região cromossômica candidata mapeada, que inclui dois genes inteiros e parcialmente mais um gene. Essa duplicação não está catalogada nos bancos de dados de CNVs (Copy Number Variation - variações de número de cópias), tanto naqueles que incluem variantes encontradas na população normal quanto naqueles que registram variantes associadas a fenótipos anormais. Dessa forma, essa vertente da pesquisa tem como objetivo determinar qual (ou quais) dos genes contidos na duplicação seria de fato responsável pela surdez na família do lócus DFNA58, por meio de três principais estratégias: a) Caracterizar a expressão (do RNAm e das proteínas correspondentes) desses três genes na cóclea de camundongos neonatos, jovens e adultos; b) Pesquisar CNVs nos três genes por meio da técnica de MLPA em cerca de 50 propósitos com surdez de provável herança autossômica dominante; c) Desenvolver camundongo transgênico com a superexpressão do melhor gene candidato, definido a partir dos resultados das etapas anteriores, a fim de confirmar e caracterizar o papel do gene como responsável pela surdez. 3) Sequenciamento do exoma em pacientes com mutações monoalélicas nos genes GJB2, SCL26A4 e OTOF com o objetivo de rastrear a segunda mutação recessiva ou identificar mutações em outros genes que contribuam para o fenótipo. 4) Estudo retrospectivo e prospectivo dos resultados do implante coclear em função da etiologia da perda auditiva, com ênfase nos casos diagnosticados molecularmente como genéticos. Uma vez que o implante coclear é um procedimento cirúrgico invasivo e caro, a identificação de fatores que podem prever sua eficácia tem implicações práticas importantes. Como consequência do estudo genético dos pacientes implantados, estabeleceremos uma rotina de diagnóstico genético-molecular em indivíduos e famílias com surdez sindrômica e não-sindrômica, com aplicações imediatas em diagnóstico etiológico, possível prognóstico ao implante e aconselhamento genético dessas famílias. Dessa rotina, esperamos averiguar novas famílias interessantes que motivem novos estudos de mapeamento. (AU)