Busca avançada
Ano de início
Entree

Aplicações biotecnológicas para melhoramento das qualidades saudáveis da laranja

Processo: 14/12616-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2014 - 31 de julho de 2016
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos
Pesquisador responsável:Leandro Antonio Peña Garcia
Beneficiário:Leandro Antonio Peña Garcia
Instituição-sede: Fundo de Defesa da Citricultura (FUNDECITRUS). Araraquara , SP, Brasil
Pesq. associados:Nelson Arno Wulff ; Viviani Vieira Marques
Assunto(s):Biotecnologia  Laranja  Carotenoides  Melhoramento genético vegetal 

Resumo

Brasil é o maior produtor mundial de laranjas e utiliza mais de 70% da fruta colhida na produção de sucos. O suco de laranja é considerado muito saudável e nutritivo, pois é rico em vitamina C, ácido fólico, potássio, magnésio e cálcio e têm níveis consideráveis de ferro e zinco. Além disso, contêm fitoquímicos, tais como carotenóides, terpenóides e flavonóides, os quais têm sido amplamente considerado como compostos benéficos à saúde. Há mutantes de laranja doce que acumulam níveis moderados de licopeno na polpa da fruta. No entanto, quando o fruto é processado, grande parte deste composto permanece na casca das vesículas do fruto e muito pouco vai para o suco. Além disso, esses mutantes requerem cultivo sob temperaturas quentes para acumular bons níveis de licopeno no fruto. Há também os mutantes de laranja doce que acumulam antocianinas no fruto, os tornando púrpura, e por isso, chamados de laranjas sanguíneas. Estes exigem temperaturas quentes durante o dia e baixas temperaturas durante a noite para expressar a característica e tais condições são muito difíceis de serem encontradas no Estado de São Paulo. Além disso, ambos os tipos de mutantes geralmente apresentam baixa produtividade e características de processamento ruins. Licopeno e antocianinas têm sido associados a um menor risco de sofrer com doenças cardiovasculares e certos tipos de câncer. Aumentar os níveis destes fitoquímicos em frutos de laranja de uma variedade bem conhecida através de engenharia metabólica poderia fortalecer os benefícios da fruta para a saúde. Os genes que regulam a acumulação de tais compostos foram clonados de mutantes de laranja sanguíneas e de laranjas ricas em licopeno. Além disso, nós clonamos um promotor forte e específico de fruto de citros. Isto nos permite propor os seguintes objetivos para este projeto: i) Aumento de antocianinas nos frutos de laranjas comerciais, de modo que eles apresentem coloração púrpura, independentemente das condições ambientais de cultivo; ii) Aumento do teor de licopeno em laranja comercial, de modo que o suco de laranja extraído apresente coloração vermelha, independentemente das condições ambientais; e iii) avaliar o teor de ²-caroteno e outros compostos fitoquímicos em frutos de laranja a partir de uma variedade geneticamente modificada, na qual a expressão de um gene de caroteno ²- hidroxilase endógeno foi bloqueada através da interferência de RNA, bem como dos frutos das plantas controle, provenientes de árvores adultas cultivadas em campo. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CARMONA, LOURDES; ALQUEZAR, BERTA; DIRETTO, GIANFRANCO; SEVI, FILIPPO; MALARA, TATIANE; LAFUENTE, M. TERESA; PENA, LEANDRO. Curing and low-temperature combined post-harvest storage enhances anthocyanin biosynthesis in blood oranges. Food Chemistry, v. 342, APR 16 2021. Citações Web of Science: 0.
CARMONA, L.; ALQUEZAR, B.; TARRAGA, S.; PENA, L. Protein analysis of moro blood orange pulp during storage at low temperatures. Food Chemistry, v. 277, p. 75-83, MAR 30 2019. Citações Web of Science: 0.
CARMONA, LOURDES; ALQUEZAR, BERTA; MARQUES, VIVIANI V.; PENA, LEANDRO. Anthocyanin biosynthesis and accumulation in blood oranges during postharvest storage at different low temperatures. Food Chemistry, v. 237, p. 7-14, DEC 15 2017. Citações Web of Science: 8.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.