Busca avançada
Ano de início
Entree

Críticas e justificações em torno de alternativas agrícolas no estado de São Paulo: a reconstrução das relações urbano e rural em questão

Processo: 14/01543-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2014 - 31 de março de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Pesquisador responsável:Paulo Eduardo Moruzzi Marques
Beneficiário:Paulo Eduardo Moruzzi Marques
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Assunto(s):Agricultura familiar  Sustentabilidade  Assentamento rural  Trabalhador rural 

Resumo

Este projeto de pesquisa tem por objetivo discutir conflitos em torno de alternativas agrícolas, particularmente em termos de assentamentos peri-urbanos e agriculturas orgânicas, mobilizando a teoria das justificações. Inscrita no quadro da sociologia pragmática, esta teoria enfatiza as margens de manobra e as escolhas dos indivíduos em meio a situações públicas de controvérsia. Neste sentido, constitui uma abordagem pertinente e instigante para a análise de disputas, graças notadamente à proposição de um repertório importante de princípios de justiça capazes de oferecer sustentação aos argumentos formulados pelos atores para criticar ou justificar ações. A escolha dos dois terrenos de estudo o assentamento Milton Santos, situado parte em Americana e parte em Cosmópolis, e o bairro Demétria em Botucatu, ambos no estado de São Paulo representam experiências de reconfiguração das relações urbanas e rurais, provocando diferentes tipos de controvérsias. O assentamento em questão é fruto de uma reorientação da estratégia do Movimento dos Trabalhadores Rurais com vistas a favorecer a instalação de famílias urbanas em terras próximas às grandes aglomerações urbanas para desenvolver projetos agrícolas sob uma perspectiva agroecológica. O bairro Demétria se formou com vistas a estabelecer um foco de irradiação da agricultura biodinâmica, desde a década de 1970. Ao passar do tempo, a localidade passou a acolher muitos moradores neorurais, com diferentes motivações para se instalar no campo. As pressões do mercado imobiliário e as agriculturas convencionais em torno do bairro representam fontes de preocupações e divergência, frequentemente ganhando a esfera pública. Portanto, a intenção deste estudo é oferecer luzes sobre processos de reconfiguração das relações entre o urbano e o rural, em grande medida favorecidos por ideais de um desenvolvimento sustentável, a partir de uma análise fundada nas críticas e justificações dos atores engajados em debates públicos em torno dos dois casos em estudo. (AU)