Busca avançada
Ano de início
Entree

Uso de simulador de direção estático no apoio aos estudos sobre a geometria da via e estudo de condução

Resumo

Há quase 15 anos, os simuladores de direção realísticos são utilizados em investigações e pesquisas para desenvolvimento de veículos e treinamento de condutores - de trens, aeronaves, veículos militares e mais recentemente de caminhões e veículos de passeio - e também em estudos de comportamento de condutores de veículos - notadamente em países como os Estados Unidos, França, Alemanha, Itália, Suécia, China entre outros. E são diversas as razões que justificam o uso de simuladores de direção nos estudos sobre segurança viária: alterações no projeto geométrico da via, investigação do uso de dispositivos de segurança e sinalização, que ainda não existem e são caros para serem construídos apenas para teste, e no auxílio ao estudo do comportamento do usuário na via. Outra razão forte para utilizar os simuladores de direção se apoia no fato de que, neste equipamento, as situações potencialmente perigosas podem ser investigadas sem riscos à vida. E desta forma, os motoristas podem ser repetidamente confrontados com eventos que podem ocorrer raramente na realidade. Assim, os comportamentos em diferentes circunstâncias, incluindo condições climáticas específicas - como neblina, chuva - podem ser estudados. Esta pesquisa propõe o uso de um simulador de direção realístico estático nos estudos voltados para a geometria de vias associados à detecção do comportamento do condutor - para fins de apoio à segurança viária. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Homens de 18 a 25 anos são os que mais se arriscam em ultrapassagens perigosas 
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (16 total):
Mais itensMenos itens
O Estado de S. Paulo: Homens mais jovens são os que mais se arriscam em ultrapassagens (20/Jan/2021)
Estadão.com: Homens jovens se arriscam mais no trânsito (19/Jan/2021)
Estadão.com: Homem jovem tem chance 42% maior de fazer ultrapassagem perigosa que motorista mais velho e mulher (10/Dez/2020)
Dom Total: Jovens: morte no volante (01/Fev/2021)
Plantão News (MT): Homens de 18 a 25 anos são os que mais se arriscam em ultrapassagens perigosas (11/Dez/2020)
O Sul: Homem jovem tem chance 42% maior de fazer ultrapassagem perigosa que motorista mais velho e mulher (11/Dez/2020)
Terra: Homem jovem tem chance 42% maior de fazer ultrapassagem perigosa que motorista mais velho e mulher (10/Dez/2020)
Jornal de Brasília online: Homem jovem tem probabilidade 42% maior de fazer ultrapassagens de risco (10/Dez/2020)
Diário da Amazônia: Homem jovem tem chance 42% maior de fazer ultrapassagem perigosa que motorista mais velho e mulher (10/Dez/2020)
Diário da Amazônia: Homem jovem tem chance 42% maior de fazer ultrapassagem perigosa (10/Dez/2020)
MSN: Homem jovem tem chance 42% maior de fazer ultrapassagem perigosa que motorista mais velho e mulher (10/Dez/2020)
Alô Tatuapé: Homens de 18 a 25 anos são os que mais se arriscam em ultrapassagens perigosas, vídeo (10/Dez/2020)
O Sul online: Homem jovem tem chance 42% maior de fazer ultrapassagem perigosa que motorista mais velho e mulher (10/Dez/2020)
Portal Amirt: Homem jovem tem chance 42% maior de fazer ultrapassagem perigosa que motorista mais velho e mulher (10/Dez/2020)
Portal Onda Sul: Homem jovem tem chance 42% maior de fazer ultrapassagem perigosa que motorista mais velho e mulher (10/Dez/2020)
India Education Diary (Índia): Men aged 18 to 25 are most at risk in dangerous overtaking (10/Dez/2020)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
FIGUEIRA, AURENICE CRUZ; LAROCCA, ANA PAULA C. Analysis of the factors influencing overtaking in two-lane highways: A driving simulator study. TRANSPORTATION RESEARCH PART F-TRAFFIC PSYCHOLOGY AND BEHAVIOUR, v. 69, p. 38-48, FEB 2020. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.