Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel das células dendríticas e de neutrófilos na modulação da resposta imune adaptativa em resposta ao Paracoccidioides brasiliensis: análise do perfil transcricional das populações celulares envolvidas

Processo: 13/26245-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2014 - 31 de outubro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:Angela Maria Victoriano de Campos Soares
Beneficiário:Angela Maria Victoriano de Campos Soares
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Pesq. associados:Graziela Gorete Romagnoli ; João Pessoa Araújo Junior ; Luciane Alarcão Dias-Melicio ; Ramon Kaneno
Assunto(s):Transcriptoma  Paracoccidioides brasiliensis  Células dendríticas  Linfócitos T  Neutrófilos  Resposta imune 

Resumo

A paracoccidioidomicose (PCM) é uma micose sistêmica que se manifesta endemicamente na maioria dos países da América Latina, cujo agente etiológico é o Paracoccidioides brasiliensis (Pb), um fungo termodimórfico. Estudos objetivando caracterizar a resposta imune do hospedeiro infectado têm se voltado ao papel das diferentes subpopulações de células CD4+, com enfoque para os mecanismos envolvidos na indução de uma ou outra subpopulação, dependentes em grande parte da interação inicial entre o agente infeccioso e as células da resposta imune inata. Nesse processo, as células dendríticas (DCs) desempenham um papel primordial, mas outras células como os neutrófilos (PMNs) tem despertado a atenção nos últimos anos. Neste contexto, o presente projeto terá como objetivo principal avaliar o papel de DCs e PMNs no direcionamento do tipo de resposta imune adaptativa que se desenvolve em resposta ao fungo. No que se refere às DCs, em estudos prévios, com objetivo de avaliar o papel de eicosanóides na relação DCs/Pb detectamos, ao contrário do esperado, que o fungo inibe a produção endógena de PGE2. Nesse sentido, para entender os mecanismos dessa inibição sobre a resposta das DCs, hipotetizamos que a inibição da produção de PGE2 pelas DCs, quando do encontro com o fungo, poderia estar vinculada a imunopatogênese na PCM. Essa inibição acarretaria na diminuição da expressão da enzima indoleamine 2,3 dioxygenase (IDO) com conseqüente falha na indução de células T reguladoras (TRegs) e indução preferencial de Th17 que durante as infecções fúngicas pode estar associada ao desenvolvimento de uma resposta imune não protetora, com intenso infiltrado inflamatório associado a lesão tecidual. Para testar as hipóteses principais, devemos considerar a análise de como estão sendo reguladas algumas moléculas alvos, que participam dos mecanismos propostos. Por outro lado, o desafio das DCs com o fungo e o cultivo dessas células com as células CD4+ resulta na indução da expressão de uma variedade de genes, em ambas as células, que incluem os codificadores de várias outras moléculas não consideradas de início como alvos mas que podem ter sua expressão regulada e consequentemente participar dos mecanismos propostos. Desse modo, decidimos adotar como abordagem experimental a análise do perfil transcricional global de DCs em resposta ao fungo, assim como das células CD4+ em resposta a essas DCs. Assim, os objetivos do SUBPROJETO 1: serão: 1- Analisar o perfil transcricional das DCs em resposta ao Pb, com especial atenção aos genes envolvidos no controle da IDO e do metabolismo do ácido araquidônico 2- Analisar o perfil transcricional de células CD4+ cocultivados com DCs sensibilizadas com o Pb, com especial atenção para os fatores de transcrição e citocinas envolvidos na diferenciação das diferentes subpopulações desses linfócitos. No que se refere aos PMNs, testaremos se essas células desempenham um importante papel na modulação da resposta adaptativa ao fungo e da mesma forma, usaremos como abordagem experimental a análise do perfil transcricional das populações celulares envolvidas. Assim, os objetivos do SUBPROJETO 2: serão: 1- Analisar o perfil transcricional dos PMNs em resposta ao fungo, com especial atenção para as moléculas envolvidas no recrutamento das diferentes subpopulações de células CD4+, recrutamento e modulação da atividade das DCs no que se refere ao processo de apresentação de antígenos e na regulação da diferenciação das subpopulações de linfócitos CD4+ 2- Analisar o perfil transcricional das DCs em resposta aos PMNs infectados com o fungo, com especial atenção às moléculas fenotípicas de maturação e produção de citocinas reguladoras da diferenciação das subpopulações de células CD4+ 3- Avaliar o perfil transcricional de células CD4+ cocultivados com DCs que entraram em contato com PMNs sensibilizados com o fungo, com enfoque para os fatores de transcrição e citocinas reguladoras da diferenciação das subpopulações dessas células. (AU)