Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de pró-fármacos recíprocos potenciais para o tratamento de carcinoma de pulmão tipo não pequenas células

Processo: 14/50162-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de outubro de 2014 - 30 de junho de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Marcio Henrique Zaim
Beneficiário:Marcio Henrique Zaim
Empresa:Alchemy Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento Ltda
Município: Santana de Parnaíba
Auxílios(s) vinculado(s):17/50060-0 - Desenvolvimento de pró-fármacos recíprocos potenciais para o tratamento de carcinoma de pulmão tipo não pequenas células, AP.PIPE
Assunto(s):Carcinoma  Neoplasias pulmonares  Fármacos 

Resumo

No Brasil, cerca de 580 mil novos casos de câncer serão diagnosticados em 2014. As despesas anuais por paciente em tratamento chegam a U$ 45,000 em média, que não refletem em benefício terapêutico importante para os pacientes. O câncer de pulmão, em especial, é devastador, com prognóstico ruim e apresenta a maior taxa de morte em todo o mundo, sendo o carcinoma tipo não pequenas células (NSCLC, Non-Small Cell Lung Cancer) responsável por mais de 80% na incidência da doença. Este insucesso justificaria a necessidade urgente de desenvolvimento de novos agentes antitumorais. A estratégia de pró-fármacos tem como vantagens o incremento do perfil farmacocinético, de seletividade, de estabilidade química, redução de toxicidade e prolongamento de ação. Os pró-fármacos recíprocos, em especial, constituem estratégia racional quando há sinergismo de ação, que é o caso da presente proposta. O desenvolvimento de dois novos pró-fármacos recíprocos potencialmente antitumorais (produto) será contemplado. A síntese química e a avaliação biológica in vitro e in vivo constituem as duas principais atividades do plano de pesquisa. A O-fosfocolamina e dois inibidores da enzima enoil-ACP redutase (triclosana e TBAT01), do sistema biossintético de ácidos graxos (sistema FAS), são os agentes potencialmente antitumorais considerados no processo de desenvolvimento. A O-fosfocolamina tem chamado atenção pelos contundentes efeitos antitumorais in vivo, em modelos experimentais bem estabelecidos e, por esta razão, será utilizada como "transportador ativo" na estratégia de pró-fármacos recíprocos. Na avaliação in vivo, a O-fosfocolamina apresentou resultado superior aos quimioterápicos Taxol, Docetaxol, Etoposideo, Sunitinib, Daunorrubicina, Cisplatina e Ciclofosfamida. A avaliação da citotoxicidade e da seletividade dos novos pró-fármacos será realizada em painel de células de câncer de pulmão e em células normais do tipo fibroblasto humano de pulmão. Para a determinação das doses de segurança utilizadas nos ensaios in vivo, os estudos toxicológicos serão realizados seguindo os critérios estabelecidos pela Organisation for Economic Cooperation and Development (OECD). Após a determinação das doses de segurança, pelo nível de efeito adverso não observado (NOEL), os efeitos terapêuticos in vivo serão avaliados em animais BALB/c nu/nu submetidos ao implante dorsal de células do carcinoma de pulmão de não pequenas células (H460). Os efeitos antitumorais serão avaliados pelo conjunto de técnicas e análises, tais como, PET/CT-animal, medida do volume tumoral, tumor doubling time, tumor growth delay e a avaliação histológica dos tumores dorsais. Espera-se nesta etapa da proposta obter a prova de conceito (atividade antitumoral in vivo) dos novos pró-fármacos a fim de viabilizar a segunda fase do projeto e possibilitar o estabelecimento de parcerias no processo de desenvolvimento. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.