Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de um medicamento de base nanotecnológica oriundo da biodiversidade brasileira para tratamento de Leshmaniose

Resumo

A leishmaniose visceral e tegumentar, causadas por parasitas protozoários pertencentes ao gênero Leishmania, são doenças endêmicas no Brasil que atingem principalmente as regiões Norte e Nordeste. A leishmaniose visceral, considerada mais grave, envolve a visceralização nos linfonodos, baço e fígado devido a replicação dos parasitas nos macrófagos do sistema fagocitário mononuclear. A leishmaniose tegumentar, que envolve a forma cutânea e mucosa, resulta na replicação dos parasitos presentes na derme e mucosa naso-faríngea, respectivamente. São doenças que causam alta mortalidade, no caso da visceral, e morbidade, no caso da tegumentar. O tratamento envolve principalmente a administração parenteral de antimoniais pentavalentes e anfotericina B lipossomal, e tópica de paramomicyn e imiquimod. A ineficácia do tratamento envolve principalmente a dificuldade de penetração dos fármacos nos fagolisossomos dos macrófagos, o tratamento prolongado, toxicidade dos fármacos administrados pela via parenteral e resistência dos parasitas. Neste sentido, as nanopartículas lipídicas sólidas, sistemas coloidais de liberação de fármacos passíveis de serem administradas por diferentes vias e que apresentam diversas vantagens, são úteis no tratamento de doenças parasitárias, pois são rapidamente depuradas pelo sistema mononuclear fagocitário, levando ao direcionamento passivo para o fígado, baço e linfonodos. O extrato etanólico e a fração lignana obtidos da espécie Ocotea duckei Vattimo, da biodiversidade brasileira, apresentaram promissora atividade antileishmania (L. amazonensis e L. chagasi) ao promoverem uma inibição do crescimento in vitro destas formas superior ao medicamento Glucantime®. No caso, a atividade antileishmania do extrato foi atribuída à presença das lignanas, em especial a denominada langambina. Face ao exposto, o presente projeto visa o desenvolvimento de um medicamento fitoterápico da biodiversidade brasileira para o tratamento da leishmaniose, que seja inovador, por se tratar de um medicamento de base nanotecnológica, e que ofereça vantagem aos demais medicamentos presentes no mercado, tais como, baixo custo, facilidade de administração e baixa toxicidade. Para tanto, o projeto como um todo (fase 1 e 2) pretende obter um extrato purificado da planta Ocotea duckei, desenvolver um sistema de liberação lipídico coloidal para sua administração e avaliação da eficácia e segurança "in vitro" e "in vivo". (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio::
Riqueza da colmeia 

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MARTINS, JULIA; COELHO, JOANA; TADINI, MARAINE CATARINA; DE SOUZA, REBECA OLIVEIRA; FIGUEIREDO, SONIA APARECIDA; VIEIRA FONSECA, MARIA JOSE; PEREZ DE ALBUQUERQUE, NAYARA CRISTINA; LOPES, NORBERTO PEPORINE; BERRETTA, ANDRESA; MARQUELE-OLIVEIRA, FRANCIANE; MORAES DE OLIVEIRA, ANDERSON RODRIGO. Yangambin and Epi-yangambin Isomers: New Purification Method from Ocotea fasciculata and First Cytotoxic Aspects Focusing on In Vivo Safety. Planta Medica, v. 86, n. 6, p. 415-424, APR 2020. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.