Busca avançada
Ano de início
Entree

Biodiversidade de mosquitos (Diptera : Culicidae) no Parque Estadual da Cantareira e na área de proteção ambiental Capivari - Monos, estado de São Paulo

Processo: 14/50444-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Programa BIOTA - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2014 - 30 de abril de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia
Pesquisador responsável:Mauro Toledo Marrelli
Beneficiário:Mauro Toledo Marrelli
Instituição-sede: Faculdade de Saúde Pública (FSP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Assunto(s):Conservação dos recursos naturais   Áreas de conservação  Biodiversidade  Diptera  Culicidae  Mosquitos 

Resumo

Diante da escassez de informações sobre os mosquitos (Diptera: Culicidae) nas áreas verdes que circundam a cidade de São Paulo, nossa proposta é estudar essas espécies presentes nas áreas de Mata Atlântica, representadas pelo Parque Estadual da Cantareira e pela Área de Proteção Ambiental Capivari-Monos. Com a atual proposta, ampliaremos a análise da biodiversidade de mosquitos, agregando conhecimentos advindos do projeto anterior ao estudo dos Parques Estaduais e áreas de proteção ambiental onde a comparação das espécies catalogadas nas áreas verdes municipais comparadas àquelas que serão encontradas em áreas de Mata Atlântica mais preservada, porém suscetível ao desmatamento em curto prazo, é de vital importância na compreensão e instalação de medidas de preservação ambiental e análise de riscos de transmissão de patógenos pelos vetores. Inicialmente, o plano de trabalho inclui a identificação da fauna de Culicídeos e o estudo dos aspectos ecológicos relacionados a presença destas espécies nas áreas preservadas e antropizadas. As análises de hábito alimentar e da presença de arbovirus nos mosquitos podem contribuir para uma melhor avaliação de riscos e medidas de prevenção e controle das espécies. Como esses ambientes são ambientes naturais de muitos mosquitos silvestres e potenciais refúgios para mosquitos invasores, dentre os quais alguns vetores relevantes, a aceleração do desmatamento destas áreas pela urbanização e adaptação destas espécies nas regiões antropizadas pode vir, num futuro não muito distante, a ser problema sério de saúde pública. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio:
A ameaça da febre amarela 
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.