Busca avançada
Ano de início
Entree

O avesso da arquitetura moderna: domesticidade e formas de morar na habitação privada brasileira 1930-1960

Processo: 14/02756-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2014 - 30 de novembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Arquitetura e Urbanismo - Fundamentos de Arquitetura e Urbanismo
Pesquisador responsável:Joana Mello de Carvalho e Silva
Beneficiário:Joana Mello de Carvalho e Silva
Instituição-sede: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Arquitetura moderna  Cultura material  Habitação  Historiografia 

Resumo

Muito já se falou sobre o sucesso, aceitação e disseminação da arquitetura moderna brasileira, aquela que sintetizada no Rio de Janeiro com o Ministério da Educação e Saúde Pública - MESP (1936-1945), teria alcançado a hegemonia e o ponto mais alto de prestígio com a construção de Brasília (1956-1960). Se a consagração internacional já encontrou explicações consistentes, assim como a interpretação das definições e características marcantes de nossa específica arquitetura moderna, o mesmo não se pode dizer com relação ao sucesso por ela alcançado internamente, sobretudo no âmbito das encomendas privadas. Esta pesquisa pretende enfrentar o desafio de compreender como e porque num espaço tão curto de tempo, a arquitetura moderna se consolidou no país, produzindo não apenas obras de exceção, mas um conjunto amplo de edifícios de alta qualidade que marcou os processos de metropolização das cidades brasileiras entre os anos de 1930 e 1960 e se mostrou mais diverso do que a linguagem canônica. Nossa investigação, contudo, não terá como foco o discurso autorizado dos arquitetos, historiadores e críticos, mas sim as falas dos clientes, dos consumidores dessa arquitetura, investigando os sentidos e os papéis que ela assumiu no período enfocado. Somente assim, pelo avesso, nos parece possível avançar sobre esse tema tão recorrente em nossa historiografia, investigando-se, inclusive, o alcance de seu triunfo. (AU)