Busca avançada
Ano de início
Entree

Produção destrutiva, agroecologia, trabalho associado e educação agroecológica no movimento sem-terra

Resumo

Este projeto pretende refletir sobre a agroecologia e o trabalho associado nos assentamentos e escolas de agroecologia do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Para atingir estes objetivos, pretendemos realizar pesquisa documental, revisão bibliográfica, pesquisa empírica em assentamentos e escolas de agroecologia, além de entrevistas com lideranças. Desde meados dos anos 1980 o MST colocou na sua agenda o cooperativismo e o associativismo, seja no campo da produção seja no campo da comercialização. Desde os anos 2000 a crítica a produção destrutiva (agronegócio, alimentos envenenados por agrotóxicos, transgênicos e máquinas pesadas) entrou na agenda dos assentamentos e teve como resultado a criação de escolas "técnicas" de agroecologia, experiências estas que precisam ser melhor estudadas. (AU)