Busca avançada
Ano de início
Entree

Hippo-YAP como uma via de convergência dos sinais bioquímicos e mecânicos provenientes da matriz extracelular durante a morfogênese da glândula mamária e a progressão do câncer de mama

Processo: 14/10492-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência: 01 de fevereiro de 2015 - 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Alexandre Bruni Cardoso
Beneficiário:Alexandre Bruni Cardoso
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Auxílios(s) vinculado(s):15/02654-3 - EMU concedido no processo 2014/10492-0 microscópio de fluorescência, AP.EMU
Bolsa(s) vinculada(s):17/25437-3 - Identificação em larga escala de genes que medeiam a quiescência celular induzida pela laminina, BP.DR
17/18067-5 - Estudo da dinâmica e função da actina nuclear em resposta a diferentes sinais mecânicos e composição da matriz extracelular, BP.DD
16/09561-3 - Identificação das proteínas interagentes de Yes-Associated Protein (YAP) em células epiteliais da glândula mamária expostas a membrana basal reconstituída, BP.MS
14/25832-1 - A via Hippo-YAP como mediadora de sinais bioquímicos da matriz extracelular em células epiteliais não-malignas e malignas da glândula mamária, BP.PD
Assunto(s):Neoplasias mamárias  Morfogênese  Mama  Matriz extracelular 

Resumo

O comportamento das células e a homeostase tecidual não são apenas reguladas por sinais químicos solúveis. Fatores microambientais como o arranjo da matriz extracelular (MEC), a geometria tecidual e forças mecânicas são fontes de sinais capazes de determinar o destino de uma célula. A via Hippo-YAP (Hippo é uma cascata de quinases que inativa YAP, um co-ativador de transcrição) regula o crescimento e o tamanho de órgãos e também age em células tronco mesenquimais como um "sensor" de sinais mecânicos do microambiente. Uma análise bioinformática de transcriptomas indica que genes regulados por YAP são diferencialmente expressados durante o desenvolvimento da glândula mamária e a progressão do câncer de mama. Resultados preliminares sugerem que a laminina-111 (LN1), uma proteína da MEC que induz a diferenciação funcional do epitélio mamário, reduz YAP nuclear em células não-malignas. Portanto, a hipótese desse projeto é que Hippo-YAP possa estar envolvido no crescimento controlado e quiescência da glândula mamária, que a LN1 e a viscosidade do microambiente controle a atividade da via na glândula e que estes processos estejam desregulados no câncer de mama. Serão utilizados ensaios fisiologicamente relevantes de cultura 3D que mimetizam a ramificação do epitélio mamário e a progressão do câncer mama em conjunto com técnicas de biologia molecular, bioquímica, bioinformática e microscopia. A expectativa é que a conclusão desse projeto esclarecerá aspectos da regulação da proliferação e invasão celular que são características fundamentais da progressão do câncer, e que essas informações poderão ser utilizadas para o aprimoramento de técnicas de diagnóstico, prognóstico e tratamento da doença. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio::
Como o câncer de mama resiste à quimioterapia 
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (10 total):
Mais itensMenos itens
Casa de Notícias: Como o câncer de mama resiste à quimioterapia (25/Jul/2019)
LabNetwork: Como o câncer de mama resiste à quimioterapia (19/Jul/2019)
Jornal Joseense News: Como o câncer de mama resiste à quimioterapia (15/Jul/2019)
Cadeia Logística do Frio: Como o câncer de mama resiste à quimioterapia (14/Jul/2019)
Sinuhe Silva Vieira: Como o câncer de mama resiste à quimioterapia (14/Jul/2019)
Blog Marquesi - Newsletter: Como o câncer de mama resiste à quimioterapia (14/Jul/2019)
Esteta : Como o câncer de mama resiste à quimioterapia (11/Jul/2019)
NewsLab online: Saiba como o câncer de mama resiste à quimioterapia (11/Jul/2019)
W Rádio Brasil: Como o câncer de mama resiste à quimioterapia (11/Jul/2019)
Jornal da Ciência online: Como o câncer de mama resiste à quimioterapia (08/Jul/2019)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
GOMES, LUCIANA RODRIGUES; REILY ROCHA, CLARISSA RIBEIRO; MARTINS, DAVI JARDIM; PETISCO FIORE, ANA PAULA ZEN; KINKER, GABRIELA SARTI; BRUNI-CARDOSO, ALEXANDRE; MARTINS MENCK, CARLOS FREDERICO. ATR mediates cisplatin resistance in 3D-cultured breast cancer cells via translesion DNA synthesis modulation. CELL DEATH & DISEASE, v. 10, JUN 12 2019. Citações Web of Science: 4.
ZEN PETISCO FIORE, ANA PAULA; RIBEIRO, PEDRO DE FREITAS; BRUNI-CARDOSO, ALEXANDRE. Sleeping Beauty and the Microenvironment Enchantment: Microenvironmental Regulation of the Proliferation-Quiescence Decision in Normal Tissues and in Cancer Development. FRONTIERS IN CELL AND DEVELOPMENTAL BIOLOGY, v. 6, JUN 7 2018. Citações Web of Science: 5.
FIORE, ANA PAULA ZEN PETISCO; SPENCER, VIRGINIA A.; MORI, HIDETOSHI; CARVALHO, HERNANDES F.; BISSELL, MINA J.; BRUNI-CARDOSO, ALEXANDRE. Laminin-111 and the Level of Nuclear Actin Regulate Epithelial Quiescence via Exportin-6. CELL REPORTS, v. 19, n. 10, p. 2102-2115, JUN 6 2017. Citações Web of Science: 14.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.