Busca avançada
Ano de início
Entree

Reatando um fio interrompido - a relação universidade movimentos sociais na América Latina

Processo: 14/24350-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Livros no exterior
Vigência: 01 de março de 2015 - 29 de fevereiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Sociologia - Sociologia do Conhecimento
Pesquisador responsável:Henrique Tahan Novaes
Beneficiário:Henrique Tahan Novaes
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Marília. Marília , SP, Brasil
Assunto(s):Movimentos sociais  Universidades  Extensão universitária  Autogestão  América Latina  Publicações de divulgação científica  Livros 

Resumo

Este livro, publicado em 2012 pela Editora Expressão Popular com apoio da FAPESP (Auxílio Publicação), aborda a relação de alguns grupos de pesquisa das engenharias e da arquitetura com movimentos sociais latino-americanos. O capítulo 1 abordou a crítica dos engenheiros agrônomos a) a revolução verde e ao agronegócio (transgênicos, alimentos envenenados, assistência técnica e extensão pouco dialógicas, grandes propriedades de terra); b) os princípios da agroecologia e c) o papel da universidade e dos institutos públicos de pesquisa na pesquisa e extensão junto aos movimentos sociais do campo. O capítulo 2 abordou a) a crítica dos arquitetos a indústria da construção civil, tendo em vista a) a construção de novos produtos (casas distintas da casa oferecida pelas políticas públicas), b)de novos processos de trabalho (organização do trabalho em bases autogestionárias); e c) o papel das assessorias juntos aos movimentos sociais que lutam pela habitação popular. O Capítulo 3 abordou a relação dos engenheiros junto às fábricas recuperadas brasileiras e argentinas, tendo em vista a) a crítica à organização do trabalho e a tecnologia tradicional nas fábricas; b) as possibilidades da autogestão e c) o papel da universidade na assessoria às fábricas recuperadas. Encerramos o livro com uma proposta de universidade para os movimentos sociais. (AU)