Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da inervação perivascular em artérias de ratos pós-infarto do miocárdio: efeito do treinamento físico aeróbio

Processo: 14/22335-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisador Visitante - Internacional
Vigência: 01 de abril de 2015 - 30 de junho de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Luciana Venturini Rossoni
Beneficiário:Luciana Venturini Rossoni
Pesquisador visitante: Javier Blanco Rivero
Inst. do pesquisador visitante: Universidad Autónoma de Madrid (UAM), Espanha
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:10/50048-1 - Bases celulares e funcionais do exercício físico na doença cardiovascular, AP.TEM
Assunto(s):Infarto do miocárdio  Estresse oxidativo  Fisiologia cardiovascular 

Resumo

O infarto agudo do miocárdio (IM) é responsável por 23% da mortalidade por doenças cardiovasculares no mundo. Frequentemente os pacientes que sobrevivem ao IM apresentam sintomas de insuficiência cardíaca (IC), associada com uma redução significativa na expectativa de vida após um ataque cardíaco. Além das alterações no tecido cardíaco, na IC podemos observar um aumento da resistência vascular periférica devido à ativação de sistemas neuro-humorais e dos mecanismos de controle do tônus vascular. Vários estudos têm descrito a presença de disfunção endotelial em aorta, artéria caudal e mesentérica em ratos submetidos à oclusão permanente da artéria coronária, geralmente utilizada como modelo de IM. O leito vascular mesentérico tem grande importância para o controle da resistência vascular periférica, uma vez que recebe de 20-30% do débito cardíaco. Assim, atua como um reservatório de sangue, contribuindo para a redistribuição do sangue a partir da área abdominal, para a circulação sistêmica, a fim de manter o fluxo de sangue para os órgãos vitais. Vários são os fatores que controlam o tônus do leito vascular mesentérico, dentre esses podemos citar os fatores endoteliais e nervosos. A inervação perivascular desempenha um papel importante na regulação do tônus vascular. Modificações na participação dos diferentes componentes da inervação perivascular mesentérica (simpática, nitrérgica e sensitiva) podem contribuir para a ocorrência de alterações no fluxo sanguíneo em diferentes situações fisiopatológicas. No entanto, apesar da relevância do assunto, uma vez que em decorrência da falha de bomba cardíaca há a ativação dos sistemas renina-angiotensina-aldosterona e do simpático, não há estudos que avaliem as possíveis alterações dos diversos componentes da inervação perivascular mesentérica em um modelo experimental de IM. Além do mais, a literatura vem demonstrando que o treinamento físico aeróbio de moderada intensidade normaliza a elevada atividade simpática observada após IM, e aumenta a liberação de NO de origem endotelial. Além disso, tem sido relatado que o treinamento reduz o estresse oxidativo observado pós-IM, aumentando assim a biodisponibilidade do NO. Dentro desse contexto, o objetivo do presente projeto será avaliar as possíveis alterações na participação da inervação perivascular mesentérica (simpática, nitrérgica e sensitiva) em ratos pós-IM e o possível efeito do treinamento aeróbio de moderada intensidade sobre essas modificações. (AU)