Busca avançada
Ano de início
Entree

Filogenia de fungos parasitas associados aos jardins das formigas da tribo Attini

Resumo

As formigas da tribo Attini mantêm um mutualismo com fungos utilizados como alimento. O parceiro fúngico desses insetos é alvo de um parasita especializado, conhecido como Escovopsis. Trabalhos prévios realizados pelo nosso grupo de pesquisa (Projetos JP-FAPESP n. 2011/16765-0 e 2013/25748-8) demonstraram a elevada diversidade de linhagens do parasita que infectam jardins de formigas-cortadeiras, bem como o elevado grau de compartilhamento desses parasitas entre formigas-cortadeiras e outras atíneas. Adicionalmente, observamos características morfológicas marcantes (presença de uma vesícula nas estruturas de reprodução) que diferenciam as linhagens de Escovopsis de atíneas derivadas, das demais linhagens que infectam jardins de atíneas basais. Na presente proposta, pretendemos estudar Escovopsis que infectam os jardins de fungo de Apterostigma. Os parasitas que infectam os jardins dessas formigas são especialmente interessantes, pois formam um grupo de transição entre os Escovopsis que infectam jardins de atíneas derivadas e basais. Considerando este cenário de transição evolutiva, pretendemos responder às seguintes perguntas: (i) linhagens de Escovopsis que infectam jardins de formigas atíneas derivadas, também infectam jardins de Apterostigma? E: (ii) os marcadores morfológicos de Escovopsis que infectam jardins de formigas atíneas derivadas também estão presentes nos Escovopsis que infectam jardins de Apterostigma? Para responder a essas questões pretendemos amostrar os parasitas que infectam os jardins dessas formigas e analisar as características morfológicas (presença ou ausência de vesículas), bem como sequenciar os marcadores moleculares (ITS, LSU e tef1), para elaborar uma filogenia multilocus do parasita. Os resultados da presente proposta permitirão entender a dinâmica e compartilhamento do parasita entre atíneas filogeneticamente não relacionadas (atíneas derivadas e basais). Além disso, avaliando a morfologia desses fungos será possível verificar se a vesícula é uma adaptação morfológica exclusiva de Escovopsis que infectam jardins das formigas atíneas derivadas. Tal adaptação pode estar relacionada ao tipo de fungicultura praticado por essas atíneas, incluindo as formigas-cortadeiras, consideradas pragas agrícolas em nosso país. Compreender a natureza dessa adaptação poderá elucidar os mecanismos de parasitismo de Escovopsis. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas (4)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MONTOYA, QUIMI VIDAURRE; SUTTA MARTIARENA, MARIA JESUS; POLEZEL, DANILO AUGUSTO; KAKAZU, SERGIO; RODRIGUES, ANDRE. More pieces to a huge puzzle: Two new Escovopsis species from fungus gardens of attine ants. MYCOKEYS, n. 46, p. 97-118, FEB 18 2019. Citações Web of Science: 1.
CUSTODIO, BRUNA CRISTINA; RODRIGUES, ANDRE. Escovopsis kreiselii specialization to its native hosts in the fungiculture of the lower attine ant Mycetophylax morschi. ANTONIE VAN LEEUWENHOEK INTERNATIONAL JOURNAL OF GENERAL AND MOLECULAR MICROBIOLOGY, v. 112, n. 2, p. 305-317, FEB 2019. Citações Web of Science: 2.
OSTI, JULIO FLAVIO; RODRIGUES, ANDRE. Escovopsioides as a fungal antagonist of the fungus cultivated by leafcutter ants. BMC Microbiology, v. 18, OCT 10 2018. Citações Web of Science: 0.
SOSA-CALVO, J.; JESOVNIK, A.; LOPES, C. T.; RODRIGUES, A.; RABELING, C.; BACCI, JR., M.; VASCONCELOS, H. L.; SCHULTZ, T. R. Biology of the relict fungus-farming ant Apterostigma megacephala Lattke, including descriptions of the male, gyne, and larva. Insectes Sociaux, v. 64, n. 3, p. 329-346, AUG 2017. Citações Web of Science: 7.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.