Busca avançada
Ano de início
Entree

Lesões bucomaxilofaciais: estudo dos casos periciados de 2011 a 2013 no Instituto Médico Legal de um município de médio porte de São Paulo

Processo: 14/24620-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2015 - 29 de fevereiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Odontologia Social e Preventiva
Pesquisador responsável:Tânia Adas Saliba
Beneficiário:Tânia Adas Saliba
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araçatuba. Araçatuba , SP, Brasil
Pesq. associados:Artênio José Isper Garbin ; Cléa Adas Saliba Garbin
Assunto(s):Odontologia legal  Traumatismos faciais  Traumatismos maxilofaciais  Fraturas maxilomandibulares  Estudos epidemiológicos 

Resumo

Os traumas acidentais e intencionais, principalmente agressões, são preocupações importantes na sociedade contemporânea e as regiões mais comprometidas, são geralmente, a cabeça e o pescoço. As lesões bucomaxilofaciais constituem uma situação relativamente frequente no cotidiano das perícias efetuadas por médicos e odontolegistas. Objetiva-se efetuar um levantamento das lesões corporais que atingiram o complexo bucomaxilofacial. Será realizado um estudo descritivo, no qual serão analisados aproximadamente 15.000 laudos emitidos pelos peritos do Instituto Médico Legal de um município de médio porte de SP que atende sua população e oferece suporte a 30 municípios de pequeno porte de sua região, em prontuários referentes aos anos de 2011 a 2013. O estudo será baseado nos seguintes critérios: características sócio-demográficas do periciado, motivo da ocorrência e suas variáveis como tipo e localização das lesões, etiologia, região atingida e as observações adicionais contidas nos exames que sejam pertinentes a conclusão do laudo pericial. Os dados serão analisados pela ANOVA, X² e Kruskal-Wallis; o Índice de correção (p) inferior a 0,05 será considerado para indicar significância. Busca-se com o levantamento dessa pesquisa estabelecer um perfil epidemiológico das lesões ocorridas na região bucomaxilofacial, devido a sua incidência elevada e a diversidade das lesões faciais. O traçado desse perfil epidemiológico é fundamental no desenvolvimento de estratégias para avaliações mais fidedignas, controle e prevenção desses casos. (AU)