Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel do sulfeto de hidrogênio (H2S) nas respostas inflamatória e nociceptiva induzidas por carragenina na articulação temporomandibular de ratos

Processo: 14/24518-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2015 - 30 de junho de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Cirurgia Buco-maxilo-facial
Pesquisador responsável:Marcelo Nicolas Muscara
Beneficiário:Marcelo Nicolas Muscara
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Soraia Katia Pereira Costa
Assunto(s):Articulação temporomandibular  Inflamação  Hiperalgesia  Sulfeto de hidrogênio 

Resumo

Ao longo da última década tem sido evidenciada e caracterizada a produção endógena em mamíferos de sulfeto de hidrogênio (H2S), um conhecido poluente ambiental, assim como a sua participação em várias funções do organismo, tais como a resposta vascular, a atividade mitocondrial e a resposta inflamatória. Em relação a este último aspecto, apesar de divergências na literatura quanto aos efeitos pró- ou antiinflamatório do H2S, trabalhos mais recentes demonstram que a adição de grupo funcional capaz de liberar H2S à estrutura de anti-inflamatório não esteroidais (AINEs) tradicionais resulta em compostos que apresentam menor toxicidade gástrica e efeitos cardiovasculares adversos em relação aos AINEs originais, sem perda da ação antiinflamatória.O nosso grupo demostrou que o tratamento de ratos com o reagente de Lawesson (um agente que libera H2S) resulta em redução da hiperalgesia e do edema articular secundários à artrite / sinovite de joelho induzida pela injeção intra-articular de carragenina (CGN). Similarmente, outros pesquisadores tem mostrado os efeitos benéficos de doadores de H2S em outros modelos de artrite de joelho, tais como aqueles induzidos por kaolin/CGN ou adjuvante de Freund. Recentemente, demonstramos que a presença de grupo funcional capaz de liberar H2S in vivo na molécula de naproxeno, o que resulta no composto ATB-346, não somente não interfere na atividade antiinflamatória do AINE naproxeno, mas também previne os efeitos gástricos indesejados deste último. Entretanto, não há na literatura qualquer relato que relacione a participação do H2S na artrite da articulação temporomandibular (ATM).As desordens temporomandibulares (DTMs) são distúrbios associados à ATM, músculos da mastigação e/ou demais estruturas faciais. Aproximadamente 50% da população apresenta algum sinal de DTM, e destes, em torno de 2 a 10% apresentam sintomas severos, com expressiva queda de qualidade de vida. A artrite de ATM é, provavelmente, a mais relevante das DTMs, e os seus sintomas são parcialmente controlados pelo uso de AINEs e/ou baixas doses de glicocorticoides.Em vista da necessidade de alternativas terapêuticas para o controle destas doenças (considerando os limites impostos pelos efeitos colaterais adversos dos AINEs e corticóides), o presente projeto visa avaliar o efeito de doadores de H2S no modelo de artrite / sinovite de ATM induzida por CGN, bem como explorar a participação do H2S endógeno na etiologia da doença e os mecanismos envolvidos. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
COAVOY-SANCHEZ, SILVIA A.; COSTA, SORAIA K. P.; MUSCARA, MARCELO N. Hydrogen sulfide and dermatological diseases. British Journal of Pharmacology, v. 177, n. 4, SI, p. 857-865, FEB 2020. Citações Web of Science: 2.
CAMPOS, DAIANA; RAVAGNANI, FELIPE G.; GURGUEIRA, SONIA A.; VERCESI, ANIBAL E.; TEIXEIRA, SIMONE A.; COSTA, SORAIA K. P.; MUSCARA, MARCELO N.; FERREIRA, HELOISA H. A. Increased glutathione levels contribute to the beneficial effects of hydrogen sulfide and inducible nitric oxide inhibition in allergic lung inflammation. International Immunopharmacology, v. 39, p. 57-62, OCT 2016. Citações Web of Science: 10.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.