Busca avançada
Ano de início
Entree

Os biocombustíveis nas relações internacionais: entre a governança global e a independência energética para o Brasil, a União Europeia e os Estados Unidos

Processo: 14/13651-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Programa BIOEN - Regular
Vigência: 01 de maio de 2015 - 30 de junho de 2017
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Ciência Política - Política Internacional
Pesquisador responsável:Paulo César Souza Manduca
Beneficiário:Paulo César Souza Manduca
Instituição-sede: Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético (NIPE). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Pesq. associados: Adriana Vilella Nilsson ; Ariel Finguerut ; Francisco Del Moral Hernandez ; FRANK ROSILLO-CALLE ; Henry Iure de Paiva Silva ; José Alexandre Altahyde Hage ; Klaus Guimarães Dalgaard ; Luís Alexandre Fuccille ; Mauro Donizeti Berni ; Pascoal Teófilo Carvalho Gonçalves ; shiguenoli miyamoto ; Stefano Ponte
Assunto(s):Relações internacionais  Governança global  Segurança energética  Biocombustíveis  Brasil  Estados Unidos  União Europeia 

Resumo

O objetivo desta pesquisa é de analisar o incipiente processo de constituição do mercado global de biocombustíveis no contexto do novo entendimento sobre segurança energética e tendo como referência a inter-relação dos principais atores neste campo - Brasil, União Europeia e Estados Unidos - com os Regimes Internacionais e agências multilaterais cuja atuação influi nesta área. Adaptando a teoria de "two-level games" de Robert Putnam (1988), analisamos como os âmbitos domésticos desses três atores influenciam o âmbito internacional, e vice-versa - isto é, como as diversas estruturas de governança global que dizem respeito aos biocombustíveis, por sua vez, voltam a influenciar os interesses e as preferências dos atores domésticos. Desta maneira, fazemos uma análise integrada de todos os fatores - sejam eles domésticos ou internacionais, estatais ou não-estatais - que influenciam o processo de tomada de decisões que diz respeito à formação da estrutura de governança global dos biocombustíveis, incluindo as diversas motivações por trás dos interesses dos atores em questão, desde a preocupação estratégica e geopolítica com a segurança energética até as questões de sustentabilidade ambiental e alimentar. Com base nos resultados da pesquisa acerca das questões acima, faremos uma análise comparativa dos três atores, da qual desenvolveremos também conclusões teóricas holísticas sobre a natureza do papel e da dinâmica dos biocombustíveis nas relações internacionais. Além de fazer uma importante contribuição para a literatura acadêmica sobre o assunto, o conhecimento gerado pode colaborar para que os tomadores de decisão no Brasil, os produtores e a sociedade em geral, possam desenvolver meios para melhor planejar sua inserção em um novo ciclo econômico com a emergência da economia de baixo carbono. (AU)