Busca avançada
Ano de início
Entree

O padrão de desenvolvimento dos agronegócios no Brasil e a atualidade histórica da Reforma Agrária

Processo: 14/26269-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Livros no Brasil
Vigência: 01 de junho de 2015 - 31 de maio de 2016
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Sociologia - Sociologia do Desenvolvimento
Pesquisador responsável:Frederico Daia Firmiano
Beneficiário:Frederico Daia Firmiano
Instituição-sede: Centro Universitário Moura Lacerda. Instituição Moura Lacerda. Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Reforma agrária  Sociologia rural 

Resumo

Desde o final da década de 1980, o Brasil passou por um intenso processo de reestruturação política e produtiva, ingressando na nova divisão internacional do trabalho que resultou da crise estrutural do capital deflagrada a partir da década de 1970. Mais recentemente, com o crescimento exponencial da demanda internacional por commodities agropecuárias e produtos de baixa densidade tecnológica, o País encontrou na especialização produtiva uma "nova" via para seu "desenvolvimento", convertendo-se, simultaneamente, em importante "plataforma de valorização financeira". No plano político interno, a captulação e (conseqüente) ascensão do principal (e único) partido político de massas surgido no pós-ditadura civil-militar ao mais alto posto de comando do Estado - o Partido dos Trabalhadores - levou o país a experimentar um extraordinário surto de expansão capitalista - que, a partir de meados dos anos 2000, foi denominado por intelectuais progressistas de toda sorte de neodesenvolvimentismo. Neste contexto, os agronegócios, que vinham se expandindo desde as décadas anteriores, tornaram-se elementos estratégicos da nova economia política brasileira do novo século. Com o PT, o setor experimentou sua belle époque, modificando, de modo decisivo, a questão agrária nacional e, ao mesmo tempo, conferindo um novo significado histórico para a (luta pela) reforma agrária. Com isto, o padrão historicamente "truncado" de acumulação capitalista brasileira evoluiu para um padrão destrutivo de desenvolvimento das forças produtivas do capital, especialmente no campo, intensificando a degradação social do trabalho e dos recursos naturais e ecológicos. Neste trabalho, analiso o padrão econômico e social de desenvolvimento dos agronegócios no Brasil nas últimas décadas e o projeto político que lhe dá forma, sobretudo a partir do impulso recebido pelo Estado, por meio do programa neodesenvolvimentista dos governos do PT. Simultaneamente, discuto a atualidade histórica da reforma agrária, os desafios e as condições necessárias para sua realização. (AU)