Busca avançada
Ano de início
Entree

Escola e diferença: caminhos para educação bilíngue de surdos

Processo: 15/07537-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Livros no Brasil
Vigência: 01 de julho de 2015 - 30 de junho de 2016
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Educação - Tópicos Específicos de Educação
Pesquisador responsável:Cristina Broglia Feitosa de Lacerda
Beneficiário:Cristina Broglia Feitosa de Lacerda
Instituição-sede: Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Educação inclusiva  Surdez 

Resumo

O presente livro trata da experiência de nosso grupo de pesquisa na realização de trabalho junto a uma Rede Municipal de Ensino ocorrido entre os anos de 2008 e 2013.Diversas ações foram realizadas envolvendo capacitação dos profissionais da Rede Municipal e a contratação/capacitação de novos profissionais para desempenharem a função de instrutores surdos e de tradutores e intérpretes de Libras (Língua Brasileira de Sinais). Nos seis anos de trabalho, as crianças surdas matriculadas nas escolas acompanhadas apresentaram evolução significativa no desenvolvimento de linguagem/apropriação da Libras; na atenção às atividades escolares, tornando-se interlocutores ativos nos processos de ensino-aprendizagem; além de terem sido construídas estreita relação entre eles e as crianças ouvintes que compartilhavam o mesmo espaço escolar. Considerando os resultados da experiência procuramos, neste livro, detalhar aspectos da intervenção e pesquisa realizada que foi balizada pelos seguintes objetivos: Criação de escolas preparadas para o atendimento de alunos surdos na Educação Básica, em acordo com o Decreto 5.626/05; Buscar resultados satisfatórios de escolarização para alunos surdos incorporando a Libras ao espaço escolar, repensando metodologias e desenvolvendo didáticas apropriadas para estes alunos; Oferta de formação para a equipe que atuava nas escolas sobre a) aspectos específicos do desenvolvimento de linguagem das pessoas surdas; b) os processos de ensino-aprendizagem de alunos surdos; c) as particularidades dos processos discursivo-enunciativos da Libras e d) processos de interação dos alunos surdos incluídos nas diversas práticas sociais presentes no espaço escolar. As investigações centraram-se nos sujeitos envolvidos no processo, considerando sua interação e suas relações sociais. Os procedimentos metodológicos de coleta de dados foram a realização de registros por meio de diários de campo e filmagens de atividades em sala de aula, nas aulas de Libras para funcionários, nas aulas de Português como segunda língua e nas oficinas de Libras para os alunos surdos; e entrevistas com participantes do Programa Bilíngue. Registros escritos das reuniões de capacitação também foram realizados e foi possível refletir sobre os efeitos da capacitação propiciada a todos os profissionais; sobre a adequação das práticas em sala de aula e nas oficinas de Libras. Esta reflexão sobre os modos como esse Programa Inclusão Bilíngue para surdos foi se constituindo no decorrer de 6 anos, possibilitou também um olhar crítico sobre as práticas desenvolvidas buscando compreender como o modelo proposto atendeu ou não as necessidades dos alunos surdos e se alcançou, os objetivos propostos pela política nacional de inclusão escolar. Assim, pretendemos neste livro documentar e refletir sobre as práticas desenvolvidas e oferecer ao leitor material que possa instigar novas pesquisas e formas de atendimento educacional a alunos surdos. Para tal, dividimos o livro em quatro partes: i) introdução geral situando a pesquisa e os pressupostos de nossas ações composta pelo capítulo 1 e elementos de gestão e dos princípios do trabalho inclusivo bilíngue e suas práticas presentes nos capítulos 2 e 3; ii) práticas de educação bilíngue desenvolvidas nos diferentes níveis de ensino a saber: Educação Infantil - capítulo 4, Ensino Fundamental I - capítulo 5, Ensino Fundamental II - capítulo 6 e Educação de Jovens e Adultos - capítulo 7; iii) ações de formação e de constituição do espaço de atuação de educadores surdos - capítulo 8 e de intérpretes educacionais - capítulo 9; iv) e ensino de português como segunda língua em espaço escolar que confere centralidade à Libras - capítulo 10. Os capítulos foram escritos por pesquisadores, gestores, professores, educadores surdos e intérpretes de Libras que participaram das ações aqui descritas. Esperamos contribuir para a área e ampliar debates sobre formas mais adequadas de atendimento aos alunos surdos na Educação Básica. (AU)