Busca avançada
Ano de início
Entree

Engenharia genética de leveduras para a descoberta de novos medicamentos

Processo: 15/03553-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência: 01 de outubro de 2015 - 31 de março de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Elizabeth Bilsland
Beneficiário:Elizabeth Bilsland
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):18/05328-8 - Clonagen e caracterização de 10 transportadores da barreira hemato-encefálica humana, BP.IC
17/01986-8 - Determinação da especificidade ao substrato de transportadores da membrana plasmática de Saccharomyces cerevisiae e de Homo sapiens, BP.DR
15/19103-0 - Engenharia genética de leveduras para a descoberta de novos medicamentos, BP.JP
Assunto(s):Engenharia genética  Genômica  Doenças negligenciadas  Malária  Biologia sintética  Fármacos  Saccharomyces cerevisiae 

Resumo

Drogas dirigidas para o sistema nervoso central frequentemente falham em ensaios clínicos devido ao seu transporte ineficiente para o cérebro. Isto é causado pela importação ineficaz de drogas através da barreira hemato-encefálica. Neste projeto, visamos utilizar a levedura Saccharomyces cerevisiae como uma plataforma para o estudo do transporte de compostos químicos para dentro e fora de células. Construiremos linhagens de leveduras com deleções em pares de genes responsáveis pela produção de cada um dos 121 transportadores não essenciais da membrana plasmática, e utilizaremos essas em triagens de larga escala para a definição de grupos de proteínas de trans-membrana capazes de transportar substratos similares. Iremos construir linhagens de leveduras onde a via metabólica para a produção de ergosterol será substituída por componentes sintéticos da via metabólica humana, levando à produção de colesterol. Temos resultados preliminares promissores indicando que linhagens com colesterol em sua membrana plasmática têm a capacidade de incorporar com maior eficiência proteínas de trans-membrana humanas. Portanto, linhagens com a membrana plasmática humanizada poderão ser hospedeiras para transportadores da barreira hemato-encefálica. Assim, serão utilizadas em triagens para identificar grupos químicos preferencialmente importados por cada rota, facilitando o design de drogas direcionadas eficientemente ao sistema nervoso central. As linhagens humanizadas também poderão ser utilizadas na busca de inibidores da síntese de colesterol e para a expressão em larga escala de proteínas de trans-membrana para estudos estruturais e funcionais. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Antimicrobiano usado em cosméticos pode ser opção contra a malária  
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.