Busca avançada
Ano de início
Entree

Simpatectomia lombar química com fenol para tratamento da hiperidrose plantar

Processo: 15/05444-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2015 - 30 de setembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Pesquisador responsável:Erica Nishida Hasimoto
Beneficiário:Erica Nishida Hasimoto
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Pesq. associados:Daniele Cristina Cataneo ; MARCONE LIMA SOBREIRA
Assunto(s):Cirurgia torácica  Fenol 

Resumo

INTRODUÇÃO: A hiperidrose plantar é uma condição que acarreta aos seus portadores um constrangimento social, psíquico e emocional, interferindo de forma importante na qualidade de vida dos seus portadores, principalmente nos pacientes do gênero feminino. Há uma grande associação da hiperidrose plantar com a palmar, chegando a mais de 80% dos casos. Em 85% dos pacientes com hiperidrose palmo-axilo-plantar submetidos à simpatectomia videotoracoscópica, observa-se uma melhora da sudorese plantar, porém não se conhece o real mecanismo desse resultado. A simpatectomia química lombar com fenol é um procedimento realizado desde o início de século XX para o tratamento de casos de insuficiência arterial periférica, principalmente para o alívio da dor em pacientes com isquemia crítica. Apresenta a vantagem de ser um procedimento simples, barato, pouco invasivo e seguro, além disso, pode ser realizado com anestesia local e repetido quantas vezes se fizer necessário. As desvantagens do procedimento são poucas e a principal é o efeito transitório do bloqueio, perdurando de seis meses a um ano, neuralgias transitórias pós simpatectomia e a perda da ejaculação em caso de bloqueios bilaterais.OBJETIVO: Avaliar os resultados da simpatectomia química lombar com fenol no tratamento da hiperidrose plantar em pacientes do gênero feminino portadores de hiperidrose palmo-axilo-plantar previamente submetidos à simpatectomia videotoracoscópica. MATERIAL E MÉTODO: O trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Faculdade de Medicina de Botucatu- UNESP e o tamanho amostral calculado com base em um projeto piloto, ficando determinado em 40. Serão convidados a participar do trabalho pacientes do gênero feminino, previamente submetidos à simpatectomia videotoracoscópica para tratamento da hiperidrose palmo-axilo-plantar, sem resolução da sudorese plantar após três meses da cirurgia. Serão excluídos os pacientes do gênero masculino devido ao relato na literatura de casos onde após o bloqueio bilateral na 1ª vértebra lombar ocorreu a perda da ejaculação. Inicialmente, após a avaliação inicial e a assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido será aplicado um questionário de qualidade de vida específico para a hiperidrose plantar, juntamente com o questionário de qualidade de vida validado e desenvolvido por Campos et al. (2003) para avaliação da qualidade de vida relacionada à hiperidrose e será realizada a aferição da temperatura dos membros inferiores com a utilização do termômetro eletrônico cutâneo e a medição da perda de água transepidérmica com o Vapometer. Os questionários de qualidade de vida, a aferição da temperatura dos membros inferiores e da perda de água transepidérmica serão realizados antes, 7, 30, 90 e 180 dias após o procedimento. A simpatectomia química lombar será realizada com o paciente em decúbito lateral segundo a técnica descrita por Reid et al. (1970). No primeiro procedimento será abordado o membro inferior direito e após sete dias o membro inferior contralateral, o que permitirá a comparação da temperatura e da perda de água transepidérmica entre o pé tratado e o não tratado. (AU)