Busca avançada
Ano de início
Entree

Perfil biomarcador diagnóstico e prognóstico dos microRNAs circulantes plasmáticos na hipertensão pulmonar tromboembólica crônica

Processo: 15/06387-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2015 - 30 de setembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Alexandre Todorovic Fabro
Beneficiário:Alexandre Todorovic Fabro
Instituição-sede: Hospital das Clínicas. Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Pesq. associados:Claudia Aparecida Rainho ; Hugo Hyung Bok Yoo ; Rogério Antonio de Oliveira ; Vera Luiza Capelozzi
Assunto(s):Hipertensão pulmonar  Biomarcadores 

Resumo

A Hipertensão Arterial Pulmonar Tromboembólica Crônica (CTEPH) é causada por uma obstrução trombótica organizanteprovocando um remodelamento vascular, aumento da resistência vascular periférica e consequente progressiva hipertensão arterial pulmonar e insuficiência cardíaca direita, podendo se associar a uma mortalidade em 3 anos de 90%. Concomitantemente, há obstrução de pequenas artérias pulmonares elásticas subsegmentares e musculares distais, relacionadas a disfunção endotelial e hipoperfusão/hipóxia. Todos esses processos fisiopatológicos são suscitados pelas alteradas vias de sinalização molecular relacionadasa progressão da disfunção vascular envolvendo a alteração dinâmica da expressão gênica e sua composição de proteínas. O controle pós-transcricional pode ser induzido pelos microRNAs, os quais agem como repressores endógenos da atividade transcricional por silenciamento gênico através da degradação do RNA com bloqueio da tradução. Essa função regulatória tem se mostrado crítica para diversos processos biológicos como proliferação celular, apoptose, angiogênese, fibrogênese e diferenciação celular.No entretanto, alguns microRNAs são ativamente liberados para a circulação sanguínea em resposta a estímulos biológicos ou derivados de células mortas, sendo chamados de microRNAs circulantes. Eles mostram alto potencial como biomarcador diagnóstico e prognóstico da CTEPH. Nossa proposta é sequenciar os microRNAs circulantes plasmáticos para identificá-los e correlacioná-los com o diagnóstico e a evolução da doença. (AU)