Busca avançada
Ano de início
Entree

Diversidade e produção de compostos bioativos de micro-organismos endofíticos associados a Passiflora incarnata

Processo: 15/02395-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2015 - 30 de setembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Derlene Attili de Angelis
Beneficiário:Derlene Attili de Angelis
Instituição-sede: Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (CPQBA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Paulínia , SP, Brasil
Pesq. associados: Adilson Sartoratto ; Fabiana Fantinatti Garboggini ; Glyn Mara Figueira ; Vera Lúcia Garcia
Bolsa(s) vinculada(s):17/01302-1 - Potencial antimicrobiano dos fungos endofíticos dePassiflora incarnata frente aos fitopatógenos do maracujá, BP.TT
16/09564-2 - Potencial antimicrobiano dos fungos endofíticos de Passiflora incarnata frente aos fitopatógenos do maracujá, BP.TT
Assunto(s):Anti-infecciosos  Flavonoides 

Resumo

Endofíticos constituem micro-organismos que vivem no interior do tecido vegetal, ao menos uma parte de seu ciclo de vida, sem visivelmente desencadear nenhuma doença à planta hospedeira. Acredita-se que esta interação traga alguma vantagem ecológica importante, pois surpreendentemente todas as espécies vegetais investigadas, até o momento, apresentaram algum tipo de endofitismo. Passiflora é uma planta com vários constituintes químicos, principalmente flavonóides, aos quais um grande número de benefícios à saúde tem sido atribuído, como a prevenção de males cardíacos, de alterações no sistema nervoso e até mesmo o surgimento de rugas. Assim, a espécie, conhecida popularmente como maracujá, foi aprovada pela German Comission E para o tratamento do nervosismo, neuralgia e insônia, além de outras condições nervosas. Seus alcalóides carbolínicos, também presentes, atuam como sequestradores de radicais livres e vasorrelaxantes, além de serem descritos como liberadores de GABA, serotonina e epinefrina. Nesta década, o mercado mundial de fitoterápicos já movimentou bilhões de dólares. No Brasil, segundo a Asso¬ciação Brasileira de Empresas do Setor Fitoterápico - ABIFISA, as estimativas variaram entre US$ 350 e 550 milhões. Existe uma preocupação em tirar o Brasil do atraso que ameaça ampliar a distância em relação aos países desenvolvidos em inovação no setor. Considerando-se a existência de relatos científicos sobre a produção de flavonóides por micro-organismos endofíticos, o grande mercado a ser explorado e a carência de estudos na área, propõe-se a bioprospecção destes polifenóis mediante o isolamento, a purificação e a caracterização de fungos e bactérias endofíticas em P. incarnata. Outros objetivos incluem a investigação de relações filogenéticas dos isolados por uma abordagem polifásica; a quantificação de flavonóides nas partes aéreas das plantas e a avaliação do potencial antimicrobiano dos isolados frente aos fitopatógenos do maracujá. Linhagens consideradas de maior interesse serão depositadas na Coleção Brasileira de Ambiente e Indústria - CBMAI/UNICAMP, a fim de serem disponibilizadas para futuras pesquisas na área de bioprospecção de moléculas biológicas ativas. Estima-se que a modulação de metabólitos secundários em Plantas de Interesse Medicinal tenha um grande impacto econômico na indústria de medicamentos fitoterápicos (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
GOULART, MARCELA C.; CUEYA-YESQUEN, LUIS G.; HIDALGO MARTINEZ, KELLY J.; ATTILI-ANGELIS, DERLENE; FANTINATTI-GARBOGGINI, FABIANA. Comparison of specific endophytic bacterial communities in different developmental stages of Passiflora incarnata using culture-dependent and culture-independent analysis. MICROBIOLOGYOPEN, v. 8, n. 10 AUG 2019. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.