Busca avançada
Ano de início
Entree

Bioenergy & sustainability: bridging the gaps

Processo: 15/17311-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Livros no Brasil
Vigência: 01 de outubro de 2015 - 30 de setembro de 2016
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Pesquisador responsável:Glaucia Mendes Souza
Beneficiário:Glaucia Mendes Souza
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Desenvolvimento sustentável  Uso do solo  Bioenergia  Biomassa 

Resumo

Cento e trinta e sete especialistas de 24 países e 82 instituições debruçaram-se por dois anos sobre as diversas questões relacionadas com produção e uso de bioenergia e sustentabilidade, considerando aspectos como uso da terra, matérias primas, tecnologias, impactos e políticas, e produziram o relatório Bioenergy & Sustainability. O trabalho foi coordenado por cientistas ligados aos programas FAPESP de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN), Mudanças Climáticas Globais e BIOTA - de pesquisa sobre a biodiversidade - e teve apoio da FAPESP e do Comitê Científico para Problemas do Ambiente (SCOPE, na sigla em inglês), agência intergovernamental responsável pela iniciativa associada à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).Com base em mais de 2.000 referências e estudos, o relatório fornece uma análise abrangente de tecnologias e práticas atuais da bioenergia, incluindo produção, sistemas e mercados, e o potencial de expansão sustentável e de maior adoção da bioenergia, em paralelo com uma revisão crítica dos seus impactos. Os autores consideraram como a expansão da bioenergia e seus impactos afetam os sistemas atuais de energia, a produção de alimentos, a segurança ambiental e climática, e o desenvolvimento sustentável, tanto em regiões desenvolvidas quanto em desenvolvimento. A partir dessa análise abrangente, os autores apresentam recomendações embasadas cientificamente para a adoção de políticas e a implantação de diferentes opções de uso da bioenergia, nas diferentes regiões do mundo: biocombustíveis líquidos, bioeletricidade, biogás, e produtos químicos de base biológica, entre outros.O relatório está dividido em cinco Seções, sendo a primeira de apresentação e a segunda, um Sumário Executivo do relatório, abrangendo o Sumário Técnico e os Números da Bioenergia - amplo levantamento de dados de produção atual de biomassa e de uso da terra, de tecnologias de conversão, e números referentes às necessidades futuras, considerando benefícios sociais e ambientais.A Seção III traz as sínteses de temas transversais, cada um com suas respectivas conclusões e recomendações: segurança energética, bioenergia e segurança alimentar, segurança ambiental e climática, desenvolvimento sustentável e inovação, e as lacunas do conhecimento para expansão sustentável da bioenergia. A Seção IV apresenta o estado da arte levantado pelos experts que subsidiou um intenso debate dos especialistas de várias áreas ao definir as recomendações e destaques apresentados nos aspectos transversais da seção III, como uso da terra, fontes de biomassa para bioenergia, integração com agricultura e silvicultura, água e solo, emissões de gases de efeito estufa até os impactos dos biocombustíveis na biodiversidade e serviços ecossistêmicos e as questões sociais e econômicas envolvidas. A quinta Seção traz os países e regiões citados no relatório, bem como as palavras-chave do trabalho. (AU)