Busca avançada
Ano de início
Entree

Alterações hormonais e comportamentais e estresse oxidativo em encéfalo de animais sobreviventes à sepse

Processo: 15/12152-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2015 - 30 de abril de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Maria José Alves da Rocha
Beneficiário:Maria José Alves da Rocha
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Pesq. associados:Evelin Capellari Cárnio ; Luciane Carla Alberici ; Norberto Cysne Coimbra
Bolsa(s) vinculada(s):17/01470-1 - Alterações hormonais e comportamentais e estresse oxidativo em encéfalo de animais sobreviventes à sepse, BP.TT
16/10707-2 - Alterações hormonais e comportamentais e estresse oxidativo em encéfalo de animais sobreviventes à sepse, BP.TT
Assunto(s):Hipotálamo  Síndrome de resposta inflamatória sistêmica  Degeneração neural  Transmissão sináptica  Apoptose  Hipófise 

Resumo

A sepse e suas consequências, choque séptico e disfunção orgânica, representam um grave problema de saúde pública. Além dos altos custos, causam um grande índice de mortalidade e os sobreviventes após alta hospitalar podem apresentar alterações cognitivas resultando em internações futuras onerando ainda mais o sistema de saúde nacional. Durante a sepse há liberação de citocinas, prostaglandinas, leucotrienos, óxido nítrico, etc., que podem contribuir para a encefalopatia e as alterações cognitivas observadas em alguns pacientes durante e após o tratamento da doença. Também há relatos sugerindo que essas substâncias podem ser responsáveis pelas alterações hormonais que ocorrem durante a sepse. Usando o modelo de ligação cecal e punção para a indução de sepse experimental, nós temos investigado as alterações da secreção de vasopressina que se encontra aumentada na fase inicial e diminuída na fase tardia da sepse, apesar da hipotensão persistente. As hipóteses para esta secreção diminuída foi investigada neste laboratório mostrando que além de alteração no barorreflexo e diminuição temporária nos estoques hipofisários de vasopressina ocorre sinais de estresse oxidativo nos núcleos sintetizadores de vasopressina. Estas alterações, portanto podem ser devidas à morte neuronal que devem comprometer não somente outros eixos hipotálamo-hipofisário, mas também regiões cerebrais envolvidas com comportamentos. Portanto, as investigações das alterações hormonais, comportamentais e encefálicas e de possíveis neuroprotetores em animais sobreviventes à sepse poderão fornecer importantes informações para alertar os profissionais de saúde sobre as consequências da sepse e a importância de monitorar clinicamente estes pacientes após alta hospitalar. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SANTOS-JUNIOR, N. N.; CATALAO, C. H. R.; COSTA, L. H. A.; ROSSIGNOLLI, B. B.; DOS-SANTOS, R. C.; MALVAR, D. C.; MECAWI, A. S.; ROCHA, M. J. A. Alterations in hypothalamic synaptophysin and death markers may be associated with vasopressin impairment in sepsis survivor rats. Journal of Neuroendocrinology, v. 30, n. 8, SI AUG 2018. Citações Web of Science: 2.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.