Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do comprimento da cadeia alquílica de moléculas de surfactantes na formação da fase liotrópica biaxial nemática, investigado por meio da microscopia óptica de luz polarizada, conoscopia e Espalhamento de Raios X em baixo-ângulo

Processo: 15/01391-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisador Visitante - Internacional
Vigência: 14 de junho de 2016 - 09 de setembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Física - Física da Matéria Condensada
Pesquisador responsável:Antonio Martins Figueiredo Neto
Beneficiário:Antonio Martins Figueiredo Neto
Pesquisador visitante: Erol Akpinar
Inst. do pesquisador visitante: Abant Izzet Baysal University (AIBU), Turquia
Instituição-sede: Instituto de Física (IF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/13616-4 - Propriedades ópticas e estruturais de elastômeros e fluidos complexos de interesse biológico, AP.TEM
Assunto(s):Cristais líquidos  Estrutura  Transição de fase  Fluidos complexos 

Resumo

Desde que a primeira mistura liotrópica de laurato de potássio (KL) / decanol (DeOH) / água exibindo fase nemática biaxial (NB) foi relatada na literatura em 1980, várias hipóteses ou modelos foram apresentados sobre a existência da fase NB. Devido ao fato de que a fase NB é uma fase intermediária entre as duas fases nemáticas uniaxiais discótica (ND) e calamítica (NC), foi anteriormente afirmado que fase NB surge a partir da coexistência de ambas as fases ND e NC. No entanto, tanto em modelos teóricos e estudos experimentais, ficou provado que a fase NB fase não pode ser uma mistura daquelas duas fases, tratando-se de uma fase estável distinta.Um ponto importante para a descrição da fase nemática biaxial é a determinação de que fatores afetam a sua estabilidade e também encontrar os motivos relacionados a esses fatores. Por exemplo, no nosso estudo anterior, constatou-se que o comprimento da cadeia carbônica dos álcoois utilizados nas misturas liotrópicas é um dos parâmetros mais importantes. Além disso, as interações entre os grupos das cabeças de moléculas de agente tensioativo e os contra-ion ou sais com as superfícies de micelas desempenam um papel importante na formação das três fases nemáticas. Neste ponto, é importante investigar que outros fatores poderão ser relevantes na estabilização da fase biaxial. No âmbito deste projeto visamos, principalmente, determinar o efeito do comprimento da cadeia alquílica das moléculas anfifílicas (surfactantes), que são componentes principais das misturas liotrópicas. As técnicas experimentais a serem utilizadas são (a) microscopia de luz polarizada, (b) conoscopia laser e (c), técnicas de difração e espalhamento de raios X a baixo ângulo. O microscópio de luz polarizada será usada para determinar as texturas de novas fases nemáticas liotrópicas e construir os seus diagramas de fase. As dimensões de micelas em ambas as fases nemáticas uniaxiais e biaxial serão avaliadas por difração e espalhamento de raios X a baixo ângulo. As birefringências das fases nemáticas e as temperaturas de transição de fase uniaxiais-a-biaxial serão determinadas por conoscopia laser. Acreditamos que este novo parâmetro, o comprimento da cadeia alquílica do surfactante, trará informações importantes para a literatura e ajudar a compreender a formação da fase nemática biaxial, apoiando alguns modelos, especialmente o "modelo micelas intrinsecamente biaxiais, IBM". Este modelo foi proposto pelo Prof. Neto e nossa colaboração poderá incrementar o conhecimento sobre a fase biaxial. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.