Busca avançada
Ano de início
Entree

Valor preditivo de biomarcadores e neuroimagem cerebral na evolução da depressão e prejuízo cognitivo pós-acidente vascular cerebral a longo prazo no estudo emma

Resumo

Dados estatísticos recentes revelam o acidente vascular cerebral (AVC) como o responsável por cerca de 5,7 milhões de mortes, das quais 87% foram reportadas em países com baixo e médio nível socioeconômico. No Brasil, o AVC em associação à hipertensão foi responsável pela ocorrência de 52 mil mortes em 2012, sendo classificada como a terceira causa de mortalidade no país. Estatísticas nacionais recentes reportam um risco de morte por AVC duas vezes maior em áreas com baixo nível socioeconômico (SES) comparativamente às áreas com maior SES na cidade de São Paulo. Apesar do impacto da doença cerebrovascular como um importante problema de saúde pública, poucos recursos têm sido direcionados em estratégias para controle dos fatores de risco, sistematização das redes públicas de atendimento médico, e principalmente de reabilitação e suporte dos pacientes acometidos pelo AVC. Além das limitações físico-motoras, o paciente no pós-AVC, frequentemente pode desenvolver alterações neuropsicológicas compatíveis com sintomas depressivos e prejuízo cognitivo que podem evoluir para depressão grave e demência. Estima-se que a depressão pós-AVC possa ocorrer em torno de 30-50% dos casos, e geralmente está associada a uma piora do estado cognitivo, prejuízo da recuperação da função motora e aumento da mortalidade. Além do prejuízo da doença primária, a depressão pós-AVC também está associada a uma deterioração da qualidade de vida. Portanto, elaboramos uma proposta, que visa uma avaliação estendida em uma sub-amostra da coorte prospectiva EMMA (Estudo de Mortalidade e Morbidade do Acidente Vascular Cerebral), que prevê o acompanhamento evolutivo da depressão e prejuízo na função cognitiva pós-AVC, e o valor prognóstico da neuroimagem e biomarcadores relacionados à lesão vascular na sobrevida a longo prazo. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas (5)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BACCARO, ALESSANDRA; WANG, YUAN-PANG; BRUNONI, ANDRE RUSSOWSKY; CANDIDO, MIRIAM; CONFORTO, ADRIANA BASTOS; LEITE, CLAUDIA DA COSTA; LOTUFO, PAULO A.; BENSENOR, ISABELA M.; GOULART, ALESSANDRA C. Does stroke laterality predict major depression and cognitive impairment after stroke? Two-year prospective evaluation in the EMMA study. PROGRESS IN NEURO-PSYCHOPHARMACOLOGY & BIOLOGICAL PSYCHIATRY, v. 94, AUG 30 2019. Citações Web of Science: 1.
BACCARO, ALESSANDRA; WANG, YUAN-PANG; CANDIDO, MIRIAM; CONFORTO, ADRIANA BASTOS; BRUNONI, ANDRE RUSSOWSKY; LEITE, CLAUDIA DA COSTA; FILHO, GERALDO BUSATTO; LOTUFO, PAULO A.; BENSENOR, ISABELA M.; GOULART, ALESSANDRA CARVALHO. Post-stroke depression and cognitive impairment: Study design and preliminary findings in a Brazilian prospective stroke cohort (EMMA study). Journal of Affective Disorders, v. 245, p. 72-81, FEB 15 2019. Citações Web of Science: 3.
CASTRO, HERBERT H. G.; ALENCAR, AIRLANE PEREIRA; BENSENOR, ISABELA M.; LOTUFO, PAULO A.; GOULART, ALESSANDRA C. Multimorbidities Are Associated to Lower Survival in Ischaemic Stroke: Results from a Brazilian Stroke Cohort (EMMA Study). CEREBROVASCULAR DISEASES, v. 44, n. 3-4, p. 232-239, 2017. Citações Web of Science: 10.
GOULART, ALESSANDRA CARVALHO. ``EMMA Study: a Brazilian community-based cohort study of stroke mortality and morbidity{''}. São Paulo Medical Journal, v. 134, n. 6, p. 543-554, NOV-DEC 2016. Citações Web of Science: 1.
ALESSANDRA CARVALHO GOULART. "EMMA Study: a Brazilian community-based cohort study of stroke mortality and morbidity". São Paulo Medical Journal, v. 134, n. 6, p. -, Dez. 2016.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.