Busca avançada
Ano de início
Entree

Manejo ecológico de plantas de cobertura para o controle da vegetação espontânea em plantio direto de hortaliças

Processo: 15/15443-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2016 - 28 de fevereiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Roberto Botelho Ferraz Branco
Beneficiário:Roberto Botelho Ferraz Branco
Instituição-sede: Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas , SP, Brasil
Pesq. associados:Denizart Bolonhezi ; Pedro Luis da Costa Aguiar Alves
Assunto(s):Horticultura  Leguminosae  Gramíneas  Plantas daninhas 

Resumo

O manejo conservacionista do solo para o cultivo de lavouras comerciais envolve métodos de revolvimento mínimo do solo ou plantio direto, manutenção permanente de cobertura do solo e rotação de culturas, medidas tais que proporcionam diversos benefícios ambientais, reduzem custos de produção e melhoram a fertilidade do solo e o rendimento das culturas. As plantas de cobertura são tradicionalmente utilizadas para rotação de cultura e formação de palha no solo para realização de plantio direto com qualidade. Um momento importante para o sucesso do plantio direto é o instante do acamamento da planta de cobertura para formação de palha na superfície. Usualmente, nesse momento, o agricultor se faz do uso de herbicidas para matar a planta de cobertura. Entretanto, observa-se aumento considerável de produtores que querem eliminar, ou mesmo reduzir o uso de insumos químicos em suas lavouras, fato que leva a necessidade de geração de tecnologias para terminar as plantas de cobertura sem uso de herbicidas. Dessa forma a proposta do projeto é de avaliar espécies de plantas de cobertura, tanto de primavera/verão quanto de outono/inverno, factíveis de morte com ação do 'rolo faca' sem necessidade de herbicida. Para termos contraste no experimento, os tratamentos também receberão aplicação do herbicida glifosato após o acamamento das plantas de cobertura. Contudo, tanto para o experimento de primavera/verão quanto para o de outono/inverno o delineamento experimental será de blocos casualizados e os tratamentos estarão delineados em parcela subdividida com fator principal as plantas de cobertura (5) e secundário com e sem a aplicação de herbicida (2) em quatro repetições. Para isso, estudar-se-á a eficiência dessas espécies em vigor de crescimento, controle por competição com o estabelecimento e crescimento da vegetação espontânea, produção de massa seca para a formação da palha na superfície do solo e o estabelecimento e a interferência da vegetação espontânea no cultivo das hortaliças. Dessa maneira, disponibilizaríamos tecnologia ecológica para formação de palha na superfície do solo e controle da vegetação espontânea para o cultivo de hortaliças em plantio direto sem uso de herbicidas. (AU)