Busca avançada
Ano de início
Entree

Functional and structural changes in internal pudendal arteries underlie erectile dysfunction induced by androgen deprivation

Processo: 16/01177-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de maio de 2016 - 31 de outubro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia
Pesquisador responsável:Fernando Silva Carneiro
Beneficiário:Fernando Silva Carneiro
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Disfunção erétil  Nervo pudendo  Androgênios  Castração animal  Ratos 

Resumo

A deficiência androgênica é fortemente associada com a disfunção erétil (DE). Fluxo sanguíneo arterial inadequado é uma das principais causas de DE. O fluxo sanguíneo para o corpo cavernoso é principalmente suprido pela artéria pudenda interna (APIs), contudo, nenhum estudo avaliou os efeitos da deprivação androgênica sobre a função das APIs. Este trabalho testa a hipótese de que a castração prejudica a reatividade e a estrutura das APIs, e isto contribui para a DE. Ratos Wistar machos, 8 semanas de idade, foram castrados e estudados 30 dias após a orquiectomia. As propriedades estruturais e funcionais das APIs foram determinadas usando sistema de miógrafo pressurizado e de tensão isométrica, respectivamente. A expressão proteica foi determinada por Western Blot e imunohistoquímica. Os níveis de testosterona plasmática foram determinados usando o sistema de imunoensaio IMMULITE 100. Ratos castrados apresentaram prejuízo da função erétil, representada pela diminuição da razão entre pressão intracavernosa/pressão arterial média. APIs de animais castrados apresentaram diminuição da contração para fenilefrina, estímulo por campo elétrico (ECE) e no relaxamento induzido por acetilcolina e ECE. APIs de ratos castrados apresentaram redução do diâmetro interno, diâmetro externo, espessura da parede arterial e da área de secção transversa. A castração diminuiu a expressão de nNOS e alfa-actina e aumentou a expressão de colágeno, a fosforilação da p38 (Thr180/Tyr182), assim como a clivagem de caspase 3. Em conclusão, a deficiência androgênica está associada com o prejuízo da reatividade e estrutura das APIs e com o aumento da sinalização de marcadores de apoptose. Nossos achados sugerem que a disfunção vascular induzida pela deficiência de andrógeno é um evento que envolve o remodelamento vascular hipotrófico das APIs. (AU)