Busca avançada
Ano de início
Entree

II workshop da pós-graduação em biotecnologia

Processo: 16/10523-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Organização de Reunião Científica
Vigência: 18 de agosto de 2016 - 19 de agosto de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica Molecular
Pesquisador responsável:Mario de Oliveira Neto
Beneficiário:Mario de Oliveira Neto
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Bioprocessos  Biotecnologia  Bioenergia 

Resumo

Fontes de energia oriundas de recursos naturais não renováveis são as mais utilizadas pela humanidade. Petróleo, gás natural e seus derivados representam 55% do consumo mundial. Atualmente, a dependência desses combustíveis tem sido cada vez mais questionada e preocupante, uma vez que seu uso é uma das principais causas da produção de gases de efeito estufa. Felizmente, alternativas limpas estão ao nosso alcance incluindo a bioenergia obtida a partir da biomassa. A energia advinda da biomassa lignocelulósica é considerada uma das principais alternativas para diversificação da matriz energética, visto que a biomassa vegetal é considerada o recurso renovável mais abundante do planeta. Essa biomassa pode ser submetida a diferentes tratamentos físicos e químicos, disponibilizando por exemplo, os polímeros lignina, celulose e hemicelulose. Os materiais lignocelulósicos são frequentemente utilizados na produção de biocompósitos de fibras e plásticos com aplicação em diversos setores industriais, como construção civil, automotiva, aeroespacial e biomédica. A metodologia de desconstrução da biomassa lignocelulósica via hidrólise química é um processo consolidado em laboratório, porém sua aplicabilidade ainda não é economicamente viável, além de gerar resíduos químicos de processamento difícil e custoso. Diversos grupos de pesquisas buscam alternativas a este processo, estudando microrganismos capazes de sintetizar enzimas lignocelulolíticas.O Brasil é destaque no cenário mundial como o líder de produção do bioetanol oriundo da cana-de-açúcar. A agroindústria de cana-de-açúcar também produz o açúcar, matérias-primas intermediárias e geração de energia. Os resíduos do processo, como o bagaço, folhas e palha, também podem ser aproveitados completando o sistema de biorrefinaria. Nesse conceito, as biorrefinarias apresentam um sistema tecnológico sustentável para obtenção de produtos similares aos gerados a partir do petróleo, utilizando a biomassa como matéria-prima. (AU)