Busca avançada
Ano de início
Entree

Biomarcadores de Responsividade do Consumo Máximo de Oxigênio ao Treinamento Aeróbio: Uma Abordagem Metabolômica

Processo: 16/05741-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2016 - 31 de março de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Pesquisador responsável:Mara Patricia Traina Chacon Mikahil
Beneficiário:Mara Patricia Traina Chacon Mikahil
Instituição-sede: Faculdade de Educação Física (FEF). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Pesq. associados:Bruno Rodrigues ; Claudia Regina Cavaglieri
Bolsa(s) vinculada(s):18/24108-9 - Biomarcadores de responsividade do consumo máximo de oxigênio ao treinamento aeróbio: uma abordagem metabolômica, BP.TT
16/23387-6 - Biomarcadores de responsividade do consumo máximo de oxigênio ao treinamento aeróbio: uma abordagem metabolômica, BP.TT
16/24239-0 - Biomarcadores de responsividade do consumo máximo de oxigênio ao treinamento aeróbio: uma abordagem metabolômica, BP.TT
Assunto(s):Biomarcadores  Metabolômica  Fisiologia do exercício 

Resumo

OO consumo máximo de oxigênio (VO2MAX) é a medida padrão ouro da aptidão cardiorrespiratório, associado positivamente com a manutenção e melhora da saúde. No entanto, ainda que recomendações para a melhora da aptidão cardiorrespiratória possam promover benefícios à maioria dos indivíduos, as respostas individuais ao treinamento são altamente heterogenias, variando de "altos" respondedores (que apresentam mudanças favoráveis) a "baixos" respondedores (que apresentam mudanças praticamente nulas ou negativas). Desta forma, a compreensão dos fatores relacionados à responsividade ao treinamento aeróbio, assim como, a identificação de biomarcadores preditores da capacidade de reposta individual a diferentes tipos de estímulos podem contribuir para estratégias de treinamento mais eficientes. Portanto, este estudo investigará biomarcadores metabólicos musculoesqueléticos e sistêmicos relacionados à responsividade do VO2MAX de 68 homens jovens (18-30 anos) submetidos a 8 semanas de treinamento aeróbio contínuo (TAC - 40 min/dia, 3-4 vezes/semana a 70% da frequência cardíaca de reserva) ou de treinamento aeróbio intervalado de alta intensidade (HIIT - 40 min/dia, 3-4 vezes/semana a 50-90 % da frequência cardíaca de reserva) realizados em ciclo ergômetro. Serão coletadas: amostras de sangue venoso e de tecido do músculo vasto lateral pré e após os programas de treinamento. Ao final do treinamento os participantes serão classificados em "baixos" e "altos" respondedores ao TAC e HIIT, com base na magnitude de mudança do VO2MAX. Então, as amostras coletadas serão analisadas por meio da técnica metabolômica (espectroscopia de RMN H1), com o objetivo de identificar metabólitos em condições de repouso (pré treinamento) que possam estar associados e ser preditores das mudanças no VO2MAX após o TAC e HIIT. Para isto, serão utilizadas análises estatísticas tais como: análise de variância para as comparações entre e intra-grupos; análise por componentes principais (PCA) e análise discriminativa por quadrados mínimos (PLS-DA) para identificar os metabólitos que possam discriminar "altos" e "baixos" respondedores ao VO2MAX após TAC e HIIT; análises de correlação e regressão linear múltipla para identificar metabólitos associados às mudanças no VO2MAX; análise de curvas características de operação do receptor (ROC) para a caracterização dos metabólitos como biomarcadores preditores das mudanças no VO2MAX, e por fim, testes de sensibilidade e especificidade para avaliar a acurácia dos mesmos. (AU)