Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização de marcadores do binômio hiperglicemia gestacional e incontinência urinária gestacional na predição de incontinência urinária 6-12 meses pós parto

Processo: 16/09710-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2016 - 30 de abril de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:Marilza Vieira Cunha Rudge
Beneficiário:Marilza Vieira Cunha Rudge
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Pesq. associados:Angélica Mércia Pascon Barbosa ; Fernanda Piculo ; Gabriela Marini Prata ; Giovana Vesentini
Assunto(s):Diabetes gestacional 

Resumo

Os dados da literatura apontam forte associação entre hiperglicemia e incontinência urinária (IU) e também entre o aumento da ocorrência de IU ao longo do período gestacional, mas não valorizam o binômio hiperglicemia na gestação e incontinência urinária durante a gestação. A prevalência de IU varia de 25% a 50% antes da gravidez podendo chegar até 75% durante a gravidez, com aumento acentuado ao longo da gestação e piora no terceiro trimestre. A "Incontinência urinária gestacional" (IUG) que é a perda involuntária de urina que se inicia durante a gestação, apesar de apresentar percentual elevado, é pouco investigada e valorizada durante a assistência pré-natal. No Brasil, são poucos os estudos que avaliam sua incidência e prevalência em inquéritos de base populacional apontando incidência em torno de 35%.O Diabete mellitus gestacional (DMG) foi importante para prevalência de IUG (50.8% vs. 31.6%) e IU 2 anos pós-parto cesárea (44.8% vs. 18.4%). Além disso, a análise multivariada demonstrou que o DMG foi fator de risco para ocorrência de IUG (OR 2.26; IC 95%: 1.116- 4.579) e disfunção muscular do assoalho pélvico (DMAP) no período pós-parto (OR20.416; IC3.548 - 117.479). A relação entre DMG, IUG, DMAP e IU dois anos pós-parto cesárea tem direcionado nossas investigações experimentais nos últimos anos. Vários desses estudos translacionais, evidenciam alterações morfológicas, imunoistoquímicas e ultraestruturais dos músculos periuretrais e do reto abdominal em ratas prenhes com diabete moderado e grave. A literatura internacional tem poucas evidências dessa associação e nosso Grupo de Pesquisa está, neste momento, na etapa "bench to bed" da pesquisa translacional, na tentativa da caracterização fisiopatológica desse binômio: IUG e hiperglicemia gestacional. Existe pouca evidência científica desse conhecimento fisiopatológico na linha do tempo compreendido entre a detecção de hiperglicemia gestacional associado à IUG com o desfecho de aumento da IU e DMAP um a dois anos pós-parto cesáreo. Nossos resultados experimentais e a falta de estudos similares na literatura indicam a necessidade de início da etapa "bench to bed", procurando estudar o músculo reto abdominal (MRA) e marcadores de recuperação muscular em gestantes hiperglicêmicas. O Comitê de Ética em Pesquisa-CEP da FMB/UNESP já autorizou a obtenção do MRA no momento da cesárea para analisar a possível base fisiopatológica desse binômio: IUG e Hiperglicemia gestacional (CAAE 41570815.0.0000.5411 nº parecer 986.465 e CAAE: 20639813.0.0000.5411 nº parecer 401.058).Assim, diante de nossos conhecimentos experimentais, das indagações, da autorização do CEP para coleta do MRA, da existência do Centro de Investigação do Diabete Perinatal (Projeto Infra IV- Fapesp) onde são realizados os exames de diagnóstico da hiperglicemia na gestação, o acompanhamento no pré-natal e parto, o follow-up dessas mulheres e os métodos laboratoriais de investigação (Laboratório de Pesquisa Experimental em Ginecologia e Obstetrícia - LAPGO), estabelecem-se as condições necessárias para responder às perguntas neste projeto de pesquisa: 1- O MRA de gestantes com hiperglicemia gestacional e IUG evidencia alterações morfológicas e de função? 2- A CCL7 é um marcador de recuperação do tecido uretral em gestantes com IUG e está alterado nas gestantes com hiperglicemia gestacional?Em vista disso, o presente projeto de pesquisa tem por objetivos: 1-Analisar a ultraestrutura, a expressão proteica, morfologia e a matriz extracelular nas fibras do músculo reto abdominal de gestantes hiperglicêmicas e com IUG; 2-Caracterizar os níveis séricos de CCL7 em gestantes com hiperglicemia gestacional e IUG desde a 12ª-18ª semana de gestação até 6-12 meses pós-parto. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
GIOVANA VESENTINI; REGINA EL DIB; LEONARDO AUGUSTO RACHELE RIGHESSO; FERNANDA PICULO; GABRIELA MARINI; GUILHERME AUGUSTO RAGO FERRAZ; IRACEMA DE MATTOS PARANHOS CALDERON; ANGÉLICA MÉRCIA PASCON BARBOSA; MARILZA VIEIRA CUNHA RUDGE. Pelvic floor and abdominal muscle cocontraction in women with and without pelvic floor dysfunction: a systematic review and meta-analysis. Clinics, v. 74, p. -, 2019.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.