Busca avançada
Ano de início
Entree

Impacto da Diabetes tipo 1 em crianças sobre a modulação autonômica em repouso e em resposta ao teste ortostático ativo

Resumo

Introdução: A neuropatia autonômica cardiovascular é uma das complicações mais comuns da diabetes mellitus tipo 1 (DM1) apresentando como uma das suas primeiras manifestações subclínicas as alterações na variabilidade da frequência cardíaca (VFC). Assim, torna-se importante a análise da VFC associada ao teste ortostático ativo nessa população. Objetivos: Analisar a resposta da modulação autonômica de crianças com DM1 induzidas pela realização do teste ortostático ativo e estudar nessas crianças a modulação autonômica, por meio de índices de VFC. Métodos: Foram analisados dados de 35 crianças, de ambos os sexos, com idade entre 7 e 15 anos, as quais foram divididas em dois grupos: Diabético (n = 16) e Controle (n = 19). Inicialmente foram coletados: peso, altura, porcentagem de gordura corporal, frequência cardíaca, pressão arterial e glicemia casual. Posteriormente, para análise da modulação autonômica, a frequência cardíaca foi captada batimento a batimento por meio de um cardiofrequencímetro na posição supina por 30 minutos e após 10 minutos em pé durante a realização do teste ortostático ativo. Índices de VFC foram calculados nos domínios do tempo e da frequência. Para análise dos dados utilizou-se a Análise de Covariância para comparação dos grupos e a Anova de medidas repetidas para comparar os efeitos do teste ortostático ativo. Esses dados foram ajustados por idade, sexo, raça, percentual de gordura e glicemia casual, com nível de significância de 5%. Resultados: Os resultados obtidos apontam que as crianças diabéticas em repouso apresentaram redução de SDNN (50,4 vs 75,2), RMSSD (38,7 vs 57,6) e LFms² (693,6 vs 1874,6). Durante a realização do teste ortostático ativo as crianças de ambos os grupos apresentaram uma redução do SDNN, RMSSD e do LFms² em comparação com o repouso, sendo que essa resposta foi menos acentuada no grupo diabético. Conclusão: Conclui-se que independente de idade, sexo, raça, percentual de gordura corporal e glicemia casual, a realização do teste ortostático ativo promoveu em ambos os grupos aumento da modulação simpática e redução da modulação parassimpática, sendo que esta resposta é menos acentuada nas crianças diabéticas e que, essas crianças apresentaram redução de variabilidade global e da atividade parassimpática. (AU)