Busca avançada
Ano de início
Entree

Programa de Pesquisador Visitante no grupo de pesquisa enfermagem e políticas de saúde mental e na disciplina análise crítica da evolução histórico-social da assistência em saúde mental e suas principais bases teóricas

Processo: 16/12811-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisador Visitante - Internacional
Vigência: 27 de novembro de 2016 - 02 de dezembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Enfermagem - Enfermagem Psiquiátrica
Pesquisador responsável:Sônia Barros
Beneficiário:Sônia Barros
Pesquisador visitante: Benedetto Saraceno
Inst. do pesquisador visitante: Universidade Nova de Lisboa, Portugal
Instituição-sede: Escola de Enfermagem (EE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Saúde mental  Pesquisa sobre serviços de saúde  Qualidade da assistência à saúde  Inclusão social  Intercâmbio de pesquisadores 

Resumo

A Rede de Atenção Psicossocial é constituída por dispositivos assistenciais diversos que devem funcionar de forma articulada e corresponde à solução organizativa proposta para a implementação desse modelo assistencial em saúde mental no SUS. Dentre estes serviços, os Centros de atenção psicossocial (CAPS) são os articuladores estratégicos da RAPS e da política de saúde mental em um território específico, com vista a incluir socialmente a pessoa com doença mental. A avaliação dos serviços de saúde mental tem sido preconizada pela OMS, enfatizando a necessidade de avaliar e monitorar os serviços de saúde mental em busca da qualidade da assistência prestada e garantir o tratamento universal e equitativo a todas as pessoas com transtorno mental. Pesquisadores brasileiros propuseram diversas avaliações para os serviços de saúde mental de forma isolada. Alguns destes estudos procuram avaliar desde a satisfação do usuário em relação seu atendimento (WHO-SATIS-BR), a sobrecarga de trabalho dos profissionais de saúde mental e avaliar a percepção de pacientes psiquiátricos sobre os resultados do tratamento recebido em serviços de saúde mental (EMP) - que são estudos do grupo de pesquisa da UFJF em parceria com a USP e OMS - (BANDEIRA & PITTA, 2000; BANDEIRA et al., 2009), bem como avaliar as experiências inovadoras de composição de redes de atenção psicossocial na região sul do país (WETZEL & KANTORSKI, 2005). No Brasil, existem alguns instrumentos de avaliação em saúde mental na perspectiva da avaliação de resultados (DONABEDIAN, 1966), como a SATIS-BR, EMP-BR e a WHOQOL. Porém, no que diz respeito às ações de inclusão social, não foram encontrados instrumentos brasileiros que mensurassem os resultados destas ações. Também não foram encontrados instrumentos que avaliassem a qualidade da assistência na perspectiva do usuário, que envolvesse as outras dimensões que não os resultados. Neste contexto, as avaliações desses serviços no Brasil são incipientes, principalmente, no âmbito da inclusão social e da percepção sobre a qualidade da assistência recebida. Portanto, neste projeto, assume-se o seguinte pressuposto: o uso das escalas Social and Community Opportunities Profile (SCOPE) e Quality in Psychiatric Care - outpatients (QPC-OP) na avaliação de serviços de saúde metal brasileiros produzirá informações que poderão contribuir para o aprimoramento destes. Assim, a finalidade deste estudo é indicar instrumentos, escalas úteis para avaliação de serviços de saúde mental, que contemplem a realidade brasileira, na perspectiva da avaliação para a gestão, contribuindo para o aprimoramento destes dispositivos que são fundamentais para a restauração da cidadania de pessoas com transtornos mentais. Diante deste panorama, o presente projeto tem como objetivo principal produzir versões de escalas para avaliação de serviços de saúde mental, na língua portuguesa, adaptada para o contexto cultural brasileiro. O projeto em questão se configurará em um estudo descritivo, de abordagem qualitativa - adaptação transcultural, que se ocupará da validação de conteúdo da escala SCOPE e QPC-OP -, e quantitativa - análise psicométrica, que se ocupará da validação de constructo das mesmas. A população será usuários dos CAPS adultos do município de São Paulo. O estudo será conduzido com uma amostra mínima de 480 usuários. O cenário será todos os CAPS adultos do município de São Paulo, que totaliza 32 unidades, divididos em CAPS tipo I, tipo II e tipo III. Espera-se como resultados, validar instrumentos que possam ser aplicados nos serviços substitutivos brasileiros a fim de mensurar e analisar como tem se obtido a inclusão social, direitos humanos e participação dos seus usuários, bem como gerar indicadores para avaliação destes serviços com a finalidade de melhorar a qualidade dos resultados das ações desempenhadas nestes serviços. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.