Busca avançada
Ano de início
Entree

Fadiga e distribuição de tensões de materiais para restaurações parciais indiretas

Processo: 16/22317-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2017 - 28 de fevereiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Materiais Odontológicos
Pesquisador responsável:Marina Amaral
Beneficiário:Marina Amaral
Instituição-sede: Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. Universidade de Taubaté (UNITAU). Taubaté , SP, Brasil
Pesq. associados:Alexandre Luiz Souto Borges ; Laís Regiane da Silva Concilio ; Renata Marques de Melo Marinho
Assunto(s):Restauração dentária  Porcelana dentária  Fadiga dos materiais  Tenacidade dos materiais  Microdureza  Método dos elementos finitos 

Resumo

Diversos materiais podem ser empregados para a confecção de restaurações indiretas, sendo que a fratura é uma das principais causas de falhas clínicas desse tipo de restauração. O objetivo desse estudo é avaliar a carga para fratura, e a fadiga de materiais restauradores indiretos monolíticos cimentados em um substrato análogo à dentina (NG10). A tenacidade e dureza dos materiais restauradores testados, e a distribuição de tensões no conjunto também serão avaliados. Quatro materiais restauradores serão comparados: resina composta indireta, cerâmica de dissilicato de lítio, cerâmica feldspática e cerâmica de matriz resinosa. Discos de material restaurador (12 mm x 1,2 mm) serão cimentados adesivamente a bases de NG10 com cimento resinoso dual. A dureza e tenacidade à fratura dos materiais serão mensuradas (n=5) através de um microdurômetro. A distribuição de tensões no conjunto material restaurador-base de NG10 será avaliada por análise de elementos finitos. A carga para fratura será medida em máquina universal de testes (n=20) e os resultados submetidos à análise estatística. As amostras (n=20) serão submetidas à fadiga cíclica com 65% da carga de fratura, a 4 Hz, e a amostra será avaliada a cada 200 mil ciclos para formação de trincas, até o máximo de 1x106 ciclos. Os dados obtidos serão submetidos à análise de sobrevivência e confiabilidade. Após realização dos testes, as amostras serão avaliadas quanto à localização da origem da fratura em microscópio óptico e microscópio eletrônico de varredura. (AU)