Busca avançada
Ano de início
Entree

Atividade antineoplásica e anti-célula tronco tumoral in vitro e in vivo de sinvastatina, óleo de Copaifera reticulata Ducke e nanopartículas inéditas de óxido de grafeno e de magnetita, em uso isolado ou combinado, em linhagens de carcinoma mamário

Processo: 16/04731-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2017 - 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia
Pesquisador responsável:André Almeida Schenka
Beneficiário:André Almeida Schenka
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Nanopartículas  Imuno-histoquímica  Sinvastatina  Neoplasias mamárias  Células-tronco neoplásicas 

Resumo

Células-tronco tumorais ou neoplásicas (CTNs) são células tumorais com capacidade de mimetizar características fenotípicas e funcionais de células-tronco adultas normais (CTs), como a autorrenovação e a capacidade de originar diferentes linhagens celulares. Além disso, as CTNs mostram-se resistentes à maioria dos xenobióticos (incluindo fármacos antineoplásicos clássicos) já que apresentam baixo índice proliferativo e expressam transportadores de efluxo (e.g., Pgp e ABCG2). Tais características conferem a essas células um papel fundamental no desenvolvimento e manutenção de neoplasias malignas, principalmente no que diz respeito a falhas terapêuticas e recidivas em longo prazo. Acredita-se que fármacos com ação específica sobre CTNs poderiam ser mais eficientes e menos tóxicos no tratamento do câncer, o que torna tais células importantes alvos em estudos farmacológicos. Assim, o presente trabalho se propõe a avaliar a atividade anti-CTN potencial de 3 substâncias: (1) sinvastatina (fármaco antidislipidêmico com ações antineoplásicas e anti-CTN parcialmente caracterizados pelo presente grupo), (2) extrato bruto de óleo de Copaifera reticulata Ducke (fitoterápico popularmente conhecido como óleo de Copaíba e utilizado como anti-inflamatório, analgésico e antifúngico) e (3) novas nanopartículas de óxido de grafeno (funcionalizadas com ferro e níquel) e de magnetita (funcionalizadas com ácido cítrico). Tais substâncias serão avaliadas em uso isolado e em associação com doxorrubicina (quimioterápico clássico), quanto a seus efeitos sobre crescimento celular, ciclo celular, apoptose e frequência de CTNs, em 6 linhagens representativas dos principais subtipos moleculares de carcinoma mamário (MCF-7, AU565, HCC1428, MDA-MB-231, MACL-1 e MGSO-3). Será avaliado também o efeito farmacológico in vivo. Espera-se contribuir para a descoberta e caracterização de substâncias com ação antineoplásica associada à atividade anti-CTN no câncer de mama, a partir de moléculas novas/pouco caracterizadas (óleo de Copaíba, óxido de grafeno e magnetita) ou de largo uso em outras doenças (sinvastatina). (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BRITTO-JUNIOR, JOSE; JACINTHO, FELIPE FERNANDES; CAMPOS, RAFAEL; ARAUJO PINHEIRO, DAVID HALEN; FIGUEIREDO MURARI, GUILHERME M.; DE SOUZA, VALERIA B.; SCHENKA, ANDRE A.; MONICA, FABIOLA Z.; MORENO, RONILSON AGNALDO; ANTUNES, EDSON; DE NUCCI, GILBERTO. The basal release of endothelium-derived catecholamines regulates the contractions of Chelonoidis carbonaria aorta caused by electrical-field stimulation. BIOLOGY OPEN, v. 10, n. 1 JAN 2021. Citações Web of Science: 1.
CAMPOS, RAFAEL; JACINTHO, FELIPE FERNANDES; BRITTO-JUNIOR, JOSE; MONICA, FABIOLA Z.; OLIVEIRA JUSTO, ALBERTO FERNANDO; PUPO, ANDRE SAMPAIO; MORENO, RONILSON AGNALDO; DE SOUZA, VALERIA BARBOSA; SCHENKA, ANDRE ALMEIDA; ANTUNES, EDSON; DE NUCCI, GILBERTO. Endothelium modulates electrical field stimulation-induced contractions of Chelonoidis carbonaria aortic rings. COMPARATIVE BIOCHEMISTRY AND PHYSIOLOGY C-TOXICOLOGY & PHARMACOLOGY, v. 233, JUL 2020. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.