Busca avançada
Ano de início
Entree

Estimulação elétrica endovaginal cómo intervenção fisioterapêutica Èm mulheres quê não contraem voluntariamente òs músculos do assoalho pélvico: ensaio clínico randomizado e controlado

Processo: 16/24570-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2017 - 31 de agosto de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Cristine Homsi Jorge Ferreira
Beneficiário:Cristine Homsi Jorge Ferreira
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):17/05284-8 - Estimulação elétrica endovaginal como intervenção fisioterapêutica em mulheres que não contraem voluntariamente os músculos do assoalho pélvico: ensaio clínico randomizado e controlado, BP.TT
Assunto(s):Estimulação elétrica  Músculos  Assoalho pélvico  Fisioterapia 

Resumo

Estima-se que cerca de 30% das mulheres não conseguem contrair voluntariamente os músculos do assoalho pélvico (MAP). O treinamento dos MAP representa uma terapêutica de primeira linha no tratamento da incontinência urinária (IU) em mulheres, entretanto a incapacidade de contrair esta musculatura inviabiliza seu uso. O objetivo primário deste projeto é avaliar clinicamente a eficácia da estimulação elétrica endovaginal em proporcionar a contração voluntária correta dos MAP em mulheres. O objetivo secundário é avaliar os relatos de IU. Trata-se de um ensaio clínico randomizado e controlado. Serão incluídas no estudo mulheres que apresentarem idade acima de 40 anos com função muscular do assoalho pélvico grau 0 (zero) ou 1 avaliada pela palpação bidigital, e que concordarem em participar do estudo. O desfecho primário deste estudo será avaliado utilizando a Escala de Oxford Modificada. O desfecho secundário será a avaliação dos relatos de IU utilizando-se o questionário ICIQ-SF. O planejamento do tamanho amostral foi feito com base em uma amostra piloto. Adotando-se um nível de significância de 5% e um poder do teste 90% estimou-se a necessidade de obter-se 25 participantes por grupo. Considerando-se possíveis perdas amostrais serão incluídas 30 mulheres por grupo. Para a análise entre os grupos será utilizado um modelo linear de efeitos mistos. Em todas as análises o nível de significância adotado será p<0,05. (AU)