Busca avançada
Ano de início
Entree

Semiótica do discurso: epistemologia e história

Processo: 16/22466-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2017 - 31 de agosto de 2019
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Linguística - Teoria e Análise Lingüística
Pesquisador responsável:Jean Cristtus Portela
Beneficiário:Jean Cristtus Portela
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Letras (FCL). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Pesq. associados:Arnaldo Cortina ; Maria Giulia Dondero
Auxílios(s) vinculado(s):16/50473-0 - Semiotic approaches to syncretic discourses, AP.R SPRINT
Assunto(s):Historiografia  Epistemologia  Enunciação  Semiótica  Sincretismo 

Resumo

Este projeto consiste em um estudo epistemológico e histórico sobre a semiótica discursiva e sobre a sua historiografia e tem como objetivo geral propor uma leitura crítica da maneira como a semiótica debruçou-se sobre sua própria história, especialmente no que diz respeito ao modo como se construíram as relações entre linguística e semiótica na elaboração do conceito de enunciação, noção que apresenta uma sólida tradição nos estudos linguísticos e semióticos, em suas diferentes aplicações nas linguagens verbais, não verbais e sincréticas. A partir de reflexões desenvolvidas no âmbito da historiografia linguística (E. F. K. Koerner e P. Swiggers) e no quadro dos estudos históricos e conceituais da semiótica (M. Arrivé, S. Badir, D. L. P. Barros, W. Beividas, J.-C. Coquet, J. L. Fiorin, J. Fontanille, A. Hénault, E. Landowski, I. V. Lopes, H. Parret, H.-G. Ruprecht e C. Zilberberg), pretende-se empreender uma reflexão historiográfica sobre a semiótica do discurso que permita dimensionar e situar sua contribuição no quadro da linguística contemporânea. São objetivos específicos desta pesquisa: 1. Analisar o modo como a semiótica do discurso surgiu no contexto da linguística francesa nos anos 1960, em diálogo com a filosofia, com a antropologia e com os estudos etnoliterários; 2. Compreender as sucessivas denominações que a semiótica conheceu desde sua origem (semiótica narrativa e discursiva, semiótica do texto, semiótica do discurso, entre outras), procurando explicitar os problemas teóricos e os objetos de estudo mobilizados por essas diferentes denominações; 3. Refletir acerca das influências da linguística na elaboração da noção de enunciação em semiótica e, em contrapartida, de uma possível contribuição da semiótica à noção de enunciação em linguística, contribuição esta que resta por definir. (AU)