Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos do exercício físico na resposta inflamatória de pacientes diabéticos com infarto do miocárdio

Processo: 16/22073-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2017 - 31 de março de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Pesquisador responsável:Tania Cristina Pithon Curi
Beneficiário:Tania Cristina Pithon Curi
Instituição-sede: Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Adriana Cristina Levada-Pires ; André Luis Lacerda Bachi ; Mario Hiroyuki Hirata ; Renata Gorjao ; Rui Curi ; Sonia de Quateli Doi
Assunto(s):Treinamento aeróbio  Neutrófilos  Infarto do miocárdio  Fisiologia  Apoptose  Diabetes mellitus 

Resumo

Nas últimas décadas os efeitos benéficos do exercício físico têm sido evidenciados como fatores que melhoram a qualidade de vida de seus praticantes. O American College of Sports Medicine e o American Heart Association também recomendam a prática do treinamento aeróbio para pacientes com infarto do miocárdio. Sabidamente, a intensidade, duração e a frequência do exercício exercem importante modulação na resposta imunológica. O nosso grupo foi o primeiro a demonstrar que o exercício físico moderado tem um efeito anti-inflamatório em ratos e que o exercício físico intenso reduz esse efeito por induzir a apoptose em neutrófilos de ratos e humanos. No entanto, ainda não foi observado se há modulação da resposta inflamatória e morte celular de neutrófilos induzida pelo treinamento aeróbio em pacientes com infarto do miocárdio, com ou sem diabetes. Nesse estudo, investigaremos os efeitos do exercício físico crônico na resposta inflamatória de pacientes diabéticos infartados com idade entre 50-70 anos. Avaliaremos no plasma a concentração das citocinas pró e anti-inflamatórias e da proteína C-reativa. Além disso, serão determinados em neutrófilos os seguintes parâmetros: 1) viabilidade, 2) externalização de fosfatidilserina na membrana citoplasmática, 3) fragmentação do DNA, 4) potencial de membrana mitocondrial, 5) expressão dos receptores de TNF-1 (TNF-R1/CD120a), de Fas (CD95/Apo-1), de TRAIL (TNF-Related Apoptosis-Inducing Ligand) 1 (TRAIL-R1/Apo-2/DR4) e 2 (TRAIL-R2/DR5/KILLER/TRICK2) na superfície dos neutrófilos, por meio da utilização da citometria de fluxo; 6) perfil dos principais microRNAs envolvidos nas vias das citocinas e dos receptores que se mostrarem alterados por PCR quantitativa em tempo real (qPCR); 7) Atividade das caspases 3, 7 e 9, utilizando a técnica de Western blotting; 8) produção de espécies reativas ao oxigênio e 9) capacidade fagocitária. (AU)