Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação de sintéticos de milho para resposta ao Azospirillum brasilense

Processo: 16/17631-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2017 - 30 de abril de 2019
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Gustavo Vitti Moro
Beneficiário:Gustavo Vitti Moro
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Produtividade  Genótipo  Zea mays  Melhoramento genético vegetal  Nitrogênio 

Resumo

O nitrogênio é um dos elementos mais utilizado na cultura do milho, onerando o custo de produção e contaminando o ambiente. Para a cultura do milho a inoculação com Azospirillum spp. vem sendo praticada, com incrementos na produtividade e em diversos caracteres. O objetivo desta pesquisa é avaliar sintéticos de milho de base ampla e restrita quanto à resposta ao Azospirillum brasilense. Para isso, 12 sintéticos de milho de base ampla, 36 de base restrita e um híbrido comercial serão avaliados na safrinha 2018 e safra de verão 2018/2019 em Jaboticabal-SP no delineamento de láttice simples (7 x 7), sendo instalados na mesma área dois experimentos para cada época de semeadura, um sem realização de adubação nitrogenada de cobertura e com inoculação com Azospirillum brasilense e outro com adubação nitrogenada de cobertura e sem aplicação de Azospirillum brasilense. As características avaliadas serão florescimento masculino e feminino, altura da planta e da espiga, posição relativa da espiga, acamamento e quebramento de plantas e produtividade de grãos, realizando-se análises de variância individuais e conjuntas e complementando com testes de médias. Também, para cada época de semeadura, caráter e genótipo, será obtida a eficiência da reposta à inoculação com Azospirillum brasilense para cada sintético, contrastando os dados dos dois experimentos, pelos mesmos princípios utilizados para estimar a eficiência na utilização de nutrientes. Com essas análises será possível identificar os sintéticos mais responsivos ao Azospirillum brasilense, ou seja, que apresentam maior quantidade de genes/alelos para uma associação eficiente com o microrganismo. Esse projeto representa o início de um trabalho delineado para longo prazo, buscando desenvolver genótipos de milho que sejam responsivos à inoculação com Azospirillum brasilense. Após essa etapa inicial, com a identificação e seleção dos sintéticos que se associem de forma eficiente com o microrganismo, serão aplicados métodos adequados de melhoramento genético, possibilitando o desenvolvimento de variedades e híbridos de milho que respondam positivamente ao Azospirillum brasilense, o que poderá contribuir para a redução no uso de nitrogênio na agricultura. (AU)