Busca avançada
Ano de início
Entree

Detecção e caracterização molecular de Paramyxovirus encontrados em aves silvestres de diferentes biomas brasileiros

Processo: 17/01125-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2017 - 31 de agosto de 2019
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Medicina Veterinária Preventiva
Pesquisador responsável:Luciano Matsumiya Thomazelli
Beneficiário:Luciano Matsumiya Thomazelli
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados: Carla Meneguin Barbosa ; Tatiana Ometto de Araujo ; Thais Helena Martins Gamon
Assunto(s):Vigilância epidemiológica  Aves silvestres  Paramyxoviridae  Paramyxovirus  Avulavirus  Vírus da doença de Newcastle 

Resumo

Paramyxovirus são vírus pertencentes à família Paramyxoviridae, atualmente dividida em 7 gêneros: Aquaparamyxovirus, Avulavirus, Ferlavirus, Henipavirus, Morbillivirus, Respirovirus e Rubulavirus. Caracterizam-se por serem partículas envelopadas de 150 a 300 nm de diâmetro com nucleocapsideo de simetria helicoidal contendo genoma de RNA, fita simples negativa. Nas aves os principais paramyxovirus encontram-se no gênero Avulavirus, no qual o ICTV reconhece 12 espécies, os paramyxovirus aviários de 1 a 12 (sorotipos APMV-1 ao 12). No entanto nos últimos anos foram descritos 3 novos sorotipos designados APMV-13, -14 e -15, ainda não reconhecidos pelo ICTV. Este último (APMV-15) foi descrito pela primeira vez por nosso grupo de pesquisa, que realiza expedições rotineiras para coleta de amostras de aves silvestres em diversos locais do Brasil desde 2005, focando o vírus da Doença de Newcastle (APMV-1) e Influenza vírus Aviário. Isso demonstra que os paramyxovirus aviários ainda são muito pouco conhecidos e possuem um enorme potencial na descoberta de novos vírus, sobretudo na América do Sul, incluindo o Brasil. As aves selvagens, sobretudo as migratórias, podem carrear vírus, conhecidos ou não, para outras regiões, atuando como agentes transmissores ou até mesmo reservatórios, em suas longas rotas entre áreas de nidificação e invernada. Portanto, os objetivos desde trabalho são analisar a presença de paramyxovirus em amostras de aves silvestres, migratórias ou residentes, em diferentes regiões do Brasil, transpostas pelas principais rotas migratórias sul americanas, visando uma vigilância epidemiológica ativa. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)