Busca avançada
Ano de início
Entree

Bioprospecção de novas moléculas anti-inflamatórias de produtos naturais nativos brasileiros

Processo: 17/09898-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2017 - 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Odontologia Social e Preventiva
Pesquisador responsável:Pedro Luiz Rosalen
Beneficiário:Pedro Luiz Rosalen
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Piracicaba , SP, Brasil
Pesq. associados:Marcelo Franchin ; Marcos Guilherme da Cunha ; Severino Matias de Alencar ; Thiago Mattar Cunha
Assunto(s):Produtos naturais  Bioprospecção  Anti-inflamatórios  Própolis  Neutrófilos 

Resumo

Os fármacos anti-inflamatórios têm sido rotineiramente utilizados no tratamento de estados inflamatórios agudos e crônicos. No entanto, sua baixa eficácia e efeitos adversos têm encorajado o desenvolvimento de fármacos mais seletivos, toleráveis e eficazes. Tais fármacos devem ser capazes de modular o processo inflamatório através de mecanismos distintos do que os medicamentos atualmente disponíveis no mercado, como por exemplo, a inibição do recrutamento de leucócitos. Os produtos naturais já levaram a descoberta de muitas drogas clinicamente úteis na terapêutica, representando cerca de 62% de todos os fármacos aprovados pelo FDA entre 1981 a 2014. Na busca por novas fontes de moléculas bioativas, os produtos naturais se destacam por possuir flavonoides, isoflavonas e outros, que são apontados como promissores anti-inflamatórios e tem sido objeto de estudos do nosso grupo de pesquisa (FOP/UNICAMP e ESALQ/USP). Nesse contexto, duas fontes naturais brasileiras de moléculas ativas se destacam: as frutas nativas (FN) e a própolis orgânica brasileira do tipo 6 (PO6). Estudos preliminares realizados pelo nosso grupo, identificou atividade na inibição da migração leucocitária na inflamação para as FN e PO6, o que demonstra o potencial destes produtos como novas fontes de moléculas bioativas. Desta forma, no presente estudo pretendemos investigar o perfil fitoquímico e bioprospectar moléculas das FN e PO6 com atividade inibitória da migração de neutrófilos no processo inflamatório. Para realização do estudo bioguiado, as amostras de FN e PO6 serão submetidas a processos químicos, que incluem extração, fracionamento e subfracionamento utilizando diferentes técnicas cromatográficas, além da análise química das frações para identificação dos compostos bioativos. Em conjunto, serão aplicados os ensaios biológicos in vitro, in vivo e in silico para avaliação da atividade anti-inflamatória dos extratos, frações e subfrações de FN e PO6. Dentre os ensaios a serem utilizados incluem: ativação do NF-ºB e produção de TNF-± em cultura de macrófagos; migração de neutrófilos na cavidade peritoneal de camundongos desafiados; estudo in silico utilizando bioinformática; análise do secretoma celular in vitro; microscopia intravital in vivo; quantificação de citocinas e expressão de moléculas de adesão in vivo. Assim, espera-se com este estudo identificar os compostos anti-inflamatórios em fração/subfração provenientes de FN brasileiras e da PO6, capazes de inibir a migração de neutrófilos e elucidar seus mecanismos moleculares de ação. Além disso, esperamos que estes achados possam subsidiar o uso sustentável destes produtos naturais e que futuramente estes compostos sejam isolados e utilizados como protótipos de novos fármacos anti-inflamatórios com utilidade em odontologia e medicina, ou como alimentos que propiciem saúde e previnam ou reduzam os fatores de risco para várias doenças de origem inflamatória. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Frutas pouco conhecidas têm alto poder anti-inflamatório e antioxidante 
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (2 total):
Al Día (Cuba): Frutas poco conocidas tienen un alto poder antiinflamatorio y antioxidante (15/Mai/2020)
Revista Analytica online: Pesquisadores obtêm cartas-patentes de substâncias que atuam na prevenção e tratamento de cáries, placa dental e gengivites (14/Nov/2019)

Publicações científicas (4)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
LAZARINI, JOSY GOLDONI; FRANCHIN, MARCELO; SOARES, JACKELINE CINTRA; NANI, BRUNO DIAS; MASSARIOLI, ADNA PRADO; DE ALENCAR, SEVERINO MATIAS; ROSALEN, PEDRO LUIZ. Anti-inflammatory and antioxidant potential, in vivo toxicity, and polyphenolic composition of Eugenia selloi BDJacks. (pitangatuba), a Brazilian native fruit. PLoS One, v. 15, n. 6 JUN 9 2020. Citações Web of Science: 0.
CAMPESTRINI, LUCIANO HENRIQUE; RASERA, GABRIELA BOSCARIOL; DE CAMARGO, ADRIANO COSTA; FRANCHIN, MARCELO; NANI, BRUNO DIAS; ROSALEN, PEDRO LUIZ; CANNIATTI-BRAZACA, SOLANGE GUIDOLIN; TELLES BIASOTO, ALINE CAMARAO; SHAHIDI, FEREIDOON; ALENCAR, SEVERINO MATIAS. Alkaline conditions better extract anti-inflammatory polysaccharides from winemaking by-products. Food Research International, v. 131, MAY 2020. Citações Web of Science: 0.
NANI, BRUNO DIAS; ORLANDI SARDI, JANAINA DE CASSIA; LAZARINI, JOSY GOLDONI; SILVA, DIEGO ROMARIO; MASSARIOLLI, ADNA PRADO; CUNHA, THIAGO MATTAR; DE ALENCAR, SEVERINO MATIAS; FRANCHIN, MARCELO; ROSALEN, PEDRO LUIZ. Anti-inflammatory and anti-Candida Effects of Brazilian Organic Propolis, a Promising Source of Bioactive Molecules and Functional Food. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 68, n. 10, p. 2861-2871, MAR 11 2020. Citações Web of Science: 0.
FALCAO, HELOISA GABRIEL; RAMOS SILVA, MARIAH BENINE; DE CAMARGO, ADRIANO COSTA; SHAHIDI, FEREIDOON; FRANCHIN, MARCELO; ROSALEN, PEDRO LUIZ; ALENCAR, SEVERINO MATIAS; KUROZAWA, LOUISE EMY; IDA, ELZA IOUKO. Optimizing the potential bioactivity of isoflavones from soybeans via ultrasound pretreatment: Antioxidant potential and NF-kappa B activation. JOURNAL OF FOOD BIOCHEMISTRY, v. 43, n. 11 AUG 2019. Citações Web of Science: 2.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.