Busca avançada
Ano de início
Entree

Individualidade biológica humana versus variáveis do treinamento de força: o que realmente importa para a hipertrofia muscular?

Processo: 17/04299-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2017 - 31 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Pesquisador responsável:Cleiton Augusto Libardi
Beneficiário:Cleiton Augusto Libardi
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Pesq. associados:Carlos Ugrinowitsch ; Felipe Romano Damas Nogueira ; Vitor Angleri
Assunto(s):Treinamento de força  Hipertrofia muscular  Expressão gênica  Ultrassonografia  Reação em cadeia da polimerase em tempo real 

Resumo

O treinamento de força (TF) é amplamente recomendado para prevenir ou atenuar a obesidade, diabetes tipo 2 e outras comorbidades, evitando a morte prematura. No entanto, vários aspectos envolvidos no TF e os mecanismos que são afetados com cada sessão de TF durante várias semanas não são bem compreendidos, o que impede uma prescrição de TF que possibilite fornecer um estímulo para promover ganhos contínuos, otimizados e maximizados de massa muscular (i.e., hipertrofia muscular). Nosso grupo tem investigado com êxito (financiamento FAPESP processo: 2013/21218-4) alguns dos mecanismos envolvidos na hipertrofia induzida por TF, tais como a relação entre a síntese integrada de proteínas miofibrilares (SPM) após sessão de TF, o dano e hipertrofia muscular em diferentes fases do TF. Na presente proposta, buscamos progredir e continuar a compreensão dos mecanismos envolvidos no TF visando uma prescrição que forneça os melhores estímulos para a promoção da saúde e melhorar o desempenho. Nesse sentido, um dos aspectos mais importantes do TF que está longe de ser compreendido, é como fornecer um estímulo adequado do TF para maximizar a hipertrofia muscular induzida por TF individualmente, uma vez que a variabilidade biológica humana de resposta ao TF é ampla. Portanto, uma importante pergunta ainda sem resposta é: é importante manipular variáveis do TF (e.g., intensidade, número de séries, repetições, tipo de contração, pausa entre séries) quando este é realizado até a falha muscular; ou a falha é realmente suficiente para maximizar os ganhos independentes de outras modulações do TF e a capacidade individual de se adaptar é a chave para compreender a variabilidade na hipertrofia muscular? Isso permitiria inferir se a magnitude do ganho de massa muscular é dependente do tipo estímulo do TF ou esse ganho está relacionado a capacidade biológica do indivíduo, independente do tipo de estímulo do TF quando este é realizado até a falha muscular. Portanto, propomos 10 semanas de TF unilateral (2*semana-1) realizado por indivíduos treinados para analisar a responsividade individual biológica frente à diferentes paradigmas de TF até a falha muscular em duas condições: 1) TF realizado de forma constante (TF-CON) - perna 1 (n=20); 2) TF com variação da carga (kg), séries, repetições, tipo de contração e intervalo de descanso (TF-VAR) - perna 2 (n=20). O TF-CON servirá como um controle interno, pois baseia-se na capacidade individual de progredir o TF até a falha muscular. Este será comparado intra-indivíduo com a perna TF-VAR, que executará o TF de forma variada. Analisaremos por meio de biópsias musculares a taxa de SPM (por meio do método de ingestão de água deuterada), ASTf e quantidade de células satélite (análises histoquímicas) e expressão de genes chave (por PCR em tempo real) relacionados com a hipertrofia muscular, além de avaliar a área muscular total por ultrassonografia. (AU)

Publicações científicas (4)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DAMAS, FELIPE; ANGLERI, VITOR; PHILLIPS, STUART M.; WITARD, OLIVER C.; UGRINOWITSCH, CARLOS; SANTANIELO, NATALIA; SOLIGON, SAMUEL D.; COSTA, LUIZ A. R.; LIXANDRAO, MANOEL E.; CONCEICAO, MIGUEL S.; LIBARDI, CLEITON A. Myofibrillar protein synthesis and muscle hypertrophy individualized responses to systematically changing resistance training variables in trained young men. Journal of Applied Physiology, v. 127, n. 3, p. 806-815, SEP 2019. Citações Web of Science: 0.
DAMAS, FELIPE; BARCELOS, CINTIA; NOBREGA, SANMY R.; UGRINOWITSCH, CARLOS; LIXANDRAO, MANOEL E.; SANTOS, LUCAS M. E. D.; CONCEICAO, MIGUEL S.; VECHIN, FELIPE C.; LIBARDI, CLEITON A. INDIVIDUAL MUSCLE HYPERTROPHY AND STRENGTH RESPONSES TO HIGH VS. LOW RESISTANCE TRAINING FREQUENCIES. JOURNAL OF STRENGTH AND CONDITIONING RESEARCH, v. 33, n. 4, p. 897-901, APR 2019. Citações Web of Science: 3.
DAMAS, FELIPE; UGRINOWITSCH, CARLOS; LIBARDI, CLEITON A.; JANNIG, PAULO R.; HECTOR, AMY J.; MCGLORY, CHRIS; LIXANDRAO, MANOEL E.; VECHIN, FELIPE C.; MONTENEGRO, HORACIO; TRICOLI, VALMOR; ROSCHEL, HAMILTON; PHILLIPS, STUART M. Resistance training in young men induces muscle transcriptome-wide changes associated with muscle structure and metabolism refining the response to exercise-induced stress. EUROPEAN JOURNAL OF APPLIED PHYSIOLOGY, v. 118, n. 12, p. 2607-2616, DEC 2018. Citações Web of Science: 1.
DAMAS, FELIPE; LIBARDI, CLEITON A.; UGRINOWITSCH, CARLOS. The development of skeletal muscle hypertrophy through resistance training: the role of muscle damage and muscle protein synthesis. EUROPEAN JOURNAL OF APPLIED PHYSIOLOGY, v. 118, n. 3, p. 485-500, MAR 2018. Citações Web of Science: 20.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.